OS IMPACTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA PROVENIENTE DA PRECÁRIA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA

um revés do uso demasiado do modal rodoviário

Autores

  • Eduardo Del Vechio Ferioli Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil
  • Gilberto Aparecido Rodrigues Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v15i1.361

Palavras-chave:

Setor de Transportes, Impactos ambientais, Emissão de gases

Resumo

Com este estudo bibliográfico, buscou-se apresentar como a histórica precariedade do setor de transportes Brasil afora gerou a atual situação desta área da infraestrutura e quais os impactos ocasionados no meio ambiente, bem como suas consequências. De forma objetiva e direta, é apresentado um panorama ambiental atual, com o intuito de demonstrar que a emissão de gases em demasia proveniente do modal rodoviário é um dos principais agravantes para a situação. A metodologia utilizada para desenvolver este estudo é uma larga pesquisa bibliográfica que reúne e levanta os dados sobre o tema com base em artigos, livros, monografias e documentos oficiais, dando ao trabalho uma bibliografia de confiança e que estabeleça uma base completa para questionar e explorar o problema e suas possíveis soluções. Além dos objetivos iniciais acima citados, este estudo busca verificar a importância de um replanejamento para todo o sistema logístico brasileiro e de planos de controle que possam resolver o problema a curto e médio prazo, já que os atualmente existentes não têm se mostrado totalmente eficazes, por mais que já haja a intenção por parte de alguns líderes mundiais em reverter o quadro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

ANP, Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biodiesel. Resolução ANP nº 62, de 1º.12.2011. Brasília, 2011. 2 p.

ANTAQ, Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Transporte Aquaviário. Brasília, 2014. Disponível em: < http://www.transportes.gov.br/conteudo/52-sistema-de-transportes/1432-transporte-aquaviario.html>. Acesso em: 30 abr. 2018.

BATISTA, M. L. C. et al. Programa de pós-graduação em Engenharia Civil e Ambiental: Poluição do Ar. Universidade Federal de Campina Grande. Campina Grande, 2017. 23 p. Disponível em: <http://livrozilla.com/doc/9190/capítulo-13-poluição-do-ar---universidade-federal-de-campina>. Acesso em: 23 abr. 2018.

BORSARI, V. Caracterização das emissões de gases de efeito estufa por veículos automotores leves no Estado de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2009. 207 p.

CARVALHO, C. H. R. Emissões relativas de poluentes do transporte motorizado de passageiros nos grandes centros urbanos brasileiros. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, 2011. 42 p.

CETESB, Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Qualidade do Ar: Histórico. São Paulo, 2018. Disponível em: < http://cetesb.sp.gov.br/ar/>. Acesso em: 05 mai. 2018.

CNT, Confederação Nacional do Transporte. Pesquisa CNT indica piora da qualidade das rodovias. Brasília, 2017. Disponível em: <http://cms.cnt.org.br/Imagens%20CNT/PDFs%20 CNT/Notícias/resumo_principais_dados_pesquisa_cnt_2017.pdf>. Acesso em: 03 mai. 2018.

CORRÊA, C. Setor de transporte é o que causa mais impactos na qualidade do ar. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/informma/item/6191-setor-de-transporte-e-o-que-causa-mais-impactos-na-qualidade-do-ar>. Acesso em: 16 mar. 2018.

DNIT, Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. A invenção da locomotiva. Brasília, 2014. Disponível em: < http://www1.dnit.gov.br/ferrovias/historico.asp>. Acesso em: 23 abr. 2018.

FERREIRA, M. A. Tipos de Modais. Instituto de Inovação Tecnológica. Belo Horizonte, 2017. Disponível em: < http://www.ietec.com.br/imprensa/tipos-de-modais-2/>. Acesso em: 05 mai. 2018.

GOLDEMBERG, J.; VILLANUEVA, L. D. Energia, meio ambiente e desenvolvimento. 2006. Disponível em: <https://energypedia.info/wiki/File:PT-Energia_meio_ambiente_e_desenvolvimento-JOS%C3%89GOLDEMBERG;et.al..pdf>. Acesso em: 14 mar. 2018.

GONZAGA, E. Urbanização Mundial e Brasileira. Grupo Bernoulli. Belo Horizonte, 2013. Disponível em: < https://pt.slideshare.net/professoredugonzaga/urbanizacao-professor-edu-gonzaga-2013>. Acesso em: 04 mai. 2018.

GUARIEIRO, L. L. N.; VASCONCELLOS, P. C.; SOLCI, M. C. Poluentes atmosféricos provenientes da queima de combustíveis fósseis e biocombustíveis: Uma breve revisão. Revista Virtual de Química. Niterói, 16 nov. 2011. Disponível em < http://rvq-sub.sbq.org.br/index.php/rvq/article/viewFile/188/198>. Acesso em: 11 mar. 2018.

IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Transporte Ferroviário de Cargas no Brasil: Gargalos e Perspectivas para o Desenvolvimento Econômico e Regional. Brasília, 2010. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/comunicado/ 100519_comunicadoipea50.pdf>. Acesso em: 30 abr. 2018.

MMA, Ministério do Meio Ambiente. Avaliação do Programa de Controle da Poluição do
Ar por Veículos Automotores. Brasília. 2006.

MOUVIER, G. A Poluição Atmosférica. 1. ed. Lisboa: Instituto Piaget, 1996. 144 p.

MUNIZ, L. et al. Sustentabilidade: Uma solução. Colégio Meta. Juiz de Fora, 2013. Disponível em: <http://www.colegiometajf.com.br/meta/infometa/2013/marco_2013.pdf>. Acesso em: 16 mar. 2018.

PALMEIRA, E. M.; PIEPER, S. L. A importância das ferrovias para o desenvolvimento econômico brasileiro. Observatório da Economia Latino-Americana. Málaga, 2007. Disponível em: <http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/07/slp.htm>. Acesso em: 03 mai. 2018.

SANTANA, I. Emissão de gases poluentes por descarga de veículos do ciclo diesel provocadores de deterioramento do meio ambiente: Busca de soluções para amenizar ou controlar o problema. 76 p. Faculdade de Engenharia de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2012.

SOUZA, R. C.; SILVA, M. F.; JUSTINA, E. E. D. Escala de Ringelmann na avaliação da fumaça emitida pela frota de ônibus urbano de Porto Velho, Rondônia. Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2016. 14 p.

SUPER INTERESSANTE. Por que o transporte ferroviário é tão precário no Brasil? São Paulo: 2013. Disponível em: <https://super.abril.com.br/comportamento/por-que-o-transporte-ferroviario-e-tao-precario-no-brasil/>. Acesso em: 18 mar. 2018.

TESTA, J. F. A poluição atmosférica por veículos automotores na Região Metropolitana de São Paulo: causas e impactos. 13 p. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental. Santa Maria, 2015.

Publicado

30/06/2018

Como Citar

FERIOLI, E. D. V.; RODRIGUES, G. A. OS IMPACTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA PROVENIENTE DA PRECÁRIA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA: um revés do uso demasiado do modal rodoviário. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 272-284, 2018. DOI: 10.31510/infa.v15i1.361. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/361. Acesso em: 27 out. 2020.

Edição

Seção

Tecnologia em Agronegócio