FINANCEIRIZAÇÃO NA EMPRESA TERRA SANTA AGRO

análise de indicadores de uma gestora de mega farms brasileira

Autores

  • Giovana Nogueira Moreno Perea Faculdade de Tecnologia de São Carlos (FATEC) – SP – Brasil
  • Martin Mundo Neto Faculdade de Tecnologia de São Carlos (FATEC) – SP – Brasil

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v16i2.655

Palavras-chave:

Investimento estrangeiro em terra, mercado de terras, modelo de negócios

Resumo

Este artigo trata de dois fenômenos econômicos interligados: a difusão de megafarms e a financeirização da agricultura. O objetivo foi analisar o caso da empresa Terra Santa Agro e identificar o grau relativo de financeirização de uma das principais gestoras de megafarms operando no Brasil, considerando os principais indicadores encontrados na literatura sobre a financeirização de empresas. Dentre as estratégias encontradas na empresa, destaca-se a trajetória marcada por fusões e aquisições, a participação de gestores de private equities entre os acionistas controladores e a alta remuneração dos executivos. Os dados permitem afirmar que a empresa analisada atende a maioria dos indicadores considerados indicadores de financeirização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

CHADDAD, Fabio R. Brasilagro: Organizational architecture for a high-performance farming Corporation. Amer. J. Agr. Econ. 96(2): 578–588, 2014; doi: 10.1093/ajae/aat106

DIARIO DO NORDESTE. Brasil Ecodiesel recebe multa de R$ 300 mil. Diário do Nordeste - 02 jul 2007. Disponível em: https://www.biodieselbr.com/noticias/biodiesel/brasil-ecodiesel-recebe-multa-r300-mil-02-07-07. Acesso realizado em 03 abr. 2019.

EPSTEIN, G. Financialization, rentier interest, and central bank policy. Paper prepared for PERI Conference on "Financialization of the World Economy", December 7-8, 2001, University of Massachusetts, Amherst. This version, June, 2002.
FROUD, J. et al., Financialization & Strategy: narrative and numbers. New York: Routledge, 2006.
GLASSDOOR (2019). Salários Terra Santa Agro. GLASSDOOR. Disponível em: < https://www.glassdoor.com.br/Sal%C3%A1rio/Terra-Santa-Agro-Sal%C3%A1rios-E2485688.htm>. Acesso em: 02 jul. 2019.
HEREDIA, Beatriz; PALMEIRA, Moacir; LEITE, Sérgio Pereira. Sociedade e Economia do "Agronegócio" no Brasil. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 25, n. 74, p. 159-176, out. 2010. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092010000300010&lng=pt&nrm=iso>. Acessos em 01 jul. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-6909201000030001d0.
HERMANS, Frans L.P.; CHADADD, Fabio R.; GAGALYUKC, Taras; SENESID, Sebastián; BALMANNE, Alfons. The emergence and proliferation of agroholdings and mega farms in a global contexto. International Food and Agribusiness Management Review, Volume 20 Issue 2, 2017; DOI: 10.22434/IFAMR2016.0173
LAZONICK, William. The Financialization of the U.S. Corporation: What Has Been Lost, and How It Can Be Regained. Seattle University Law Review, Vol. 36. Iss. 2, 2013. Disponível em: <https://digitalcommons.law.seattleu.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=2158&context=sulr>. Acesso em 05 set. 2019.
MAGNAN, Andre. The financialization of agrifood in Canada and Australia: corporate farmland and farm ownership in the grains and oilseed sector. Journal of Rural Studies, Vol. 11, p. 1-12, 2015. https://doi.org/10.1016/j.jrurstud.2015.06.007.
MAGNAN, André; SUNLEY, Sean. Farmland investment and financialization in Saskatchewan, 2003–2014: An empirical analysis of farmland transactions. Journal of Rural Studies, Vol. 49, Jan. 2017, p. 92-103. https://doi.org/10.1016/j.jrurstud.2016.11.007.
MCNELLIS, P. 2009. Foreign investment in developing country agriculture – the emerging role of private sector finance. FAO Commodity and Trade Policy Research Working Paper, No. 28.
MUNDO NETO, M.; SALTORATO, P. . Atores, ações e dominação cultural na construção da indústria de capital de risco no Brasil. Estudos de Sociologia (São Paulo), v. 22, p. 217-234, 2017.
TERRA SANTA AGRO (2019). Terra Santa. Disponível em :<http://ri.terrasantaagro.com/default_pt.asp?idioma=0&conta=28>. Acesso em 04.abr. 2019.
TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO (TST). Empresa não consegue derrubar multa de R$ 5 mi por rompimento antecipado de contrato. Secretaria de Comunicação Social Tribunal Superior do Trabalho, 19 fev. 2013. Disponível em: <http://www.tst.jus.br/legislacao?p_p_id=101&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&_101_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_returnToFullPageURL=http%3A%2F%2Fwww.tst.jus.br%2Fweb%2Fguest%2Flegislacao%3Fp_auth%3DEcUgST4I%26p_p_id%3D3%26p_p_lifecycle%3D1%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_state_rcv%3D1&_101_assetEntryId=3683406&_101_type=content&_101_urlTitle=empresa-nao-consegue-derrubar-multa-de-r-5-mi-por-rompimento-antecipado-de-contrato&inheritRedirect=true>. Acesso em 21 ago. 2019.
VALOR ECONOMICO. Terra Santa. Valor Econômico, 03/10/2016. Disponível em <https://www.valor.com.br/agro/4732333/terra-santa>. Acesso em 08 ago. 2019.

Publicado

21/12/2019

Como Citar

PEREA, G. N. M.; MUNDO NETO, M. FINANCEIRIZAÇÃO NA EMPRESA TERRA SANTA AGRO: análise de indicadores de uma gestora de mega farms brasileira. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 245-254, 2019. DOI: 10.31510/infa.v16i2.655. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/655. Acesso em: 27 out. 2020.

Edição

Seção

Tecnologia em Agronegócio