PRINCÍPIO DA RESPONSABILIDADE ÚNICA APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES

Autores

  • Ester Andrade Ribeiro Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP - Brasil
  • Fernando Tiosso Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP - Brasil

Palavras-chave:

Princípio da responsabilidade, Padrões de projeto, SOLID, Qualidade de código

Resumo

O uso de designs patterns no desenvolvimento de softwares está cada vez mais em evidência no mercado profissional. Sua utilização possibilita, além da fácil manutenção da aplicação, uma padronização e reutilização de componentes já desenvolvidos, proporcionando agilidade na implementação de novas funcionalidades. Visando a investigação do uso de designs patterns, este artigo apresenta, por meio de uma pesquisa bibliográfica e um estudo de caso prático, a importância da utilização de um dos princípios, conhecido como o princípio da responsabilidade única, referente a um padrão de projeto difundido no mundo da codificação: o SOLID. O princípio da responsabilidade única possui grande importância dentro da estrutura de uma aplicação, visto que a implementação de um software sem o seu suporte pode resultar em um produto de baixa qualidade, difícil manutenção e com problemas de performance. Portanto, com a adequada utilização deste primeiro princípio, não somente se alcança uma codificação “mais limpa”, mas também se alcança qualidade em termos de processos executados pelo software, unidos com uma notável divisão e melhor estruturação funcional do projeto. Pode-se concluir ainda que a utilização do primeiro princípio não deve ser entendida como “modismo”, mas como uma padronização necessária que deve ser aplicada a um projeto de software, visando o aumento da qualidade e um melhor entendimento dos códigos produzidos durante a fase da sua implementação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

DEVMEDIA. Conheça os Padrões de Projeto. 2005. Disponível em: <https://www.devmedia.com.br/conheca-os-padroes-de-projeto/957>. Acesso em: 22 fev. 2019.
DEVMEDIA. Propriedades e Eventos – Classes: Programação Orientada a Objetos – Parte 2. 2010. Disponível em: <https://www.devmedia.com.br/propriedades-e-eventos-classes-programacao-orientada-a-objetos-parte-2/18577>. Acesso em: 02 mar. 2019.
FURLAN, José Davi. Modelagem de Objetos através da UML – the Unified Modeling Language – São Paulo: Makron Books, 1998.
LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 4. Ed – São Paulo: Atlas, 1992.
MICROSOFT. Métodos (Guia de Programação em C#). 2015. Disponível em: <https://docs.microsoft.com/pt-br/dotnet/csharp/programming-guide/classes-and-structs/methods> Acessado em: 04 mar. 2019
PIRES, Eduardo. SOLID – Teoria e Prática – Demo + Vídeo. 2015. Disponível em: <https://www.eduardopires.net.br/2015/01/solid-teoria-e-pratica/> Acessado em: 12 mar. 2019.
PRESSMAN, Roger S. Engenharia de software: uma abordagem profissional. 7.Ed – Porto Alegre: AMGH, 2011.
RUMBAUGH, James. Modelagem e projetos baseados em objetos. Rio de Janeiro: Campus, 1994.
SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de software, 8. Ed. São Paulo: Pearson Addison-Wesley, 2007.
VINCENZI, Auri Marcelo Rizzo. Orientação a objeto: definição, implementação e análise de recursos de teste e validação. 2004. Tese (Doutorado em Ciências de Computação e Matemática Computacional) – ICMC/USP/São Carlos, 2004.
YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. Ed – Porto Alegre: Bookman, 2005.

Publicado

30/06/2019

Como Citar

RIBEIRO, E. A.; TIOSSO, F. PRINCÍPIO DA RESPONSABILIDADE ÚNICA APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 278-290, 2019. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/625. Acesso em: 24 out. 2020.

Edição

Seção

Tecnologia em Informática