DEMONSTRAÇÃO DOS BENEFÍCIOS DO MINIMUM VIABLE PRODUCT NA CRIAÇÃO DE UM NOVO APLICATIVO MÓVEL

Autores

  • Otávio Guilherme Ferreira dos Santos Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil
  • Fernando Tiosso Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil
  • Erick Eduardo Petrucelli Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil

Palavras-chave:

MVP, Mínimo Produto Viável, Aplicativo móvel, Desenvolvimento ágil, Redução de tempo, Redução de esforço, Entrega com valor agregado

Resumo

Este artigo demonstra os conceitos e os benefícios do MVP (Minimum Viable Product), também conhecido em português como Mínimo Produto Viável, aplicado no desenvolvimento de um aplicativo que visa melhorar a mobilidade urbana na cidade de São Paulo. A empresa criadora do aplicativo preferiu não ser identificada, então foi mencionada pelo codinome Mobilidade Elétrica no discorrer do texto. O presente trabalho inicia com uma breve introdução ao conceito de MVP, prosseguindo com a exploração sobre como tal conceito foi utilizado pela empresa estudada. A partir dos conceitos apresentados e analisando-se as atividades conduzidas no projeto, observaram-se benefícios obtidos com a utilização do conceito MVP no desenvolvimento do aplicativo móvel, como, por exemplo, a redução de esforço da equipe e do tempo de entrega do produto, com valor agregado para o usuário final.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

50MINUTES.COM. Benchmarking for Business: Measure and improve your company’s performance. Primento Digital, 17 de setembro de 2015.
ALBIERO. Uma Abordagem de Teste para Aplicativos Android Utilizando os Cenários do Behavior Driven Development. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Informática, Programa de Pós-Graduação em Computação, Porto Alegre/RS, 2017.
AQUINO, R. S. P. Lean Startup: a importância dos riscos na elaboração de um MVP (Minimum Viable Product). Lean Institute Brasil, 28 de março de 2014. Disponível em <lean.org.br/comunidade/artigos/pdf/artigo_254.pdf>. Acesso em: 22 de março de 2019.
BLANK. The Four Steps to the Epiphany: Successful Strategies for Products that Win. Lulu.com, 2006. Disponível em < https://web.stanford.edu/group/e145/cgi-bin/winter/drupal/upload/handouts/Four_Steps.pdf>. Acesso em: 18 de março de 2019.
CAMPOS. Uma Visão da Mobilidade Urbana Sustentável, 2006. Disponível em: <http://www.pgmec.ime.eb.br/~webde2/prof/vania/pubs/(3)UMAVISAODAMOBILIDADE.pdf>. Acesso em: 2 de abril de 2019.
FACEBOOK. React Native: Build native mobile apps using JavaScript and React. 2019. Disponível em:<https://facebook.github.io/react-native/>. Acesso em: 5 de abril de 2019.
KNAPP; ZERATSY; KOWITZ. Sprint: O Método Usado no Google Para Testar e Aplicar Novas Ideias em Apenas Cinco Dias. Intrínseca, 7 de abril de 2017.
KUROSE, J; ROSS, K. Computer Networking: A Top-down Approach. 6. ed. Londres: Pearson PLC, 2013.
OHNO. Toyota Production System. Productivity Press, 1 de março de 1988.
ORGANIZAÇÃO ENDEAVOR BRASIL. O Guia Prático para o seu MVP: Minimum Viable Product. Organização Endeavor Brasil, 20 de julho de 2015. Disponível em <https://endeavor.org.br/estrategia-e-gestao/mvp/>. Acesso em: 20 de março de 2019.
REIS. A Startup Enxuta. Leya, 1 de maio de 2012.
WOMACK; JONES. Lean Thinking: Banish Waste and Create Wealth in Your. Free Press,29 de junho de 2003.
WOMACK; JONES. The machine that changes the world. Simon and Schuster,1990.

Publicado

30/06/2019

Como Citar

SANTOS, O. G. F. dos; TIOSSO, F.; PETRUCELLI, E. E. DEMONSTRAÇÃO DOS BENEFÍCIOS DO MINIMUM VIABLE PRODUCT NA CRIAÇÃO DE UM NOVO APLICATIVO MÓVEL. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 124-135, 2019. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/567. Acesso em: 24 out. 2020.

Edição

Seção

Tecnologia em Informática