A IMPORTÂNCIA DE ALIMENTOS GENETICAMENTES MODIFICADOS PARA O AGRONEGÓCIO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v18i1.1134

Palavras-chave:

Biotecnologia, Alimentação, Economia

Resumo

Os produtores rurais tiveram seus lucros exponenciais, devido ao plantio de variantes genéticas modificadas, pois as mesmas reduzem os custos, aumenta a área produtiva em hectares, sendo mais resistentes que as variantes convencionais. Outro aspecto importante condiz com expansão populacional, fazendo com que os Organismos Geneticamente Modificados, sejam um forte aliado para o fornecimento de alimento em decorrência das estimativas de crescimento exponencial no que concerne a quantidade de pessoas no mundo. Este artigo é uma revisão bibliográfica, que tem como objetivo discutir a utilização da biotecnologia moderna em relação aos organismos geneticamente modificados e sua importância para o agronegócio e propulsão da economia em todo país. Ao longo do estudo será discorrido a história da biotecnologia, a evolução da mesma, surgimento e adoção de OGMs nos países A falta de informações faz com que muitas pessoas rechaça a utilização desses organismos, mas dados de relatórios mundiais constaram durante anos de estudo que o mesmo não polui o ambiente e são iguais as variantes convencionais.  A ciência existe para auxiliar na evolução e melhorias de vida das pessoas, buscando informações sérias e contundentes. É fato que transgênicos, que são organismos modificados vieram para ficar, e no geral só trouxeram lucratividade e produtividade ao agronegócio, refletindo em vários setores na economia e geração de empregos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BORÉM, A.; SANTOS, F. R. Biotecnologia simplificada. 2. ed. Viçosa: Editora UFV. Viçosa, 2003.

BORÉM, A.; SANTOS, F. R. Entendendo a biotecnologia. Editora UFV. Viçosa, 2008.

CAMARA, M. C. et al. Transgênicos: avaliação da possível (in)segurança alimentar através da produção científica. Hist. cienc. saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 669-681, Set 2009. Disponível em:< https://www.scielo.br/pdf/hcsm/v16n3/06.pdf>. Acesso em 7 mar. 2021.

CARRER, H.; BARBOSA, A.L.; RAMIRO, D.A. Biotecnologia na agricultura. Dossiê Biotecnologia Estudos Avançados 24 (70), 2010. Disponível em:< https://www.scielo.br/j/ea/a/rckkXMJ7cc6hxPhbNFhVWGm/?lang=pt&format=pdf>. Acesso em 7 mar. 2021.

CÉLERES. Relatório Biotecnologia. Relatório Técnico. Disponível em: http://celeres.com.br/wordpress/wp-content/uploads/2012/12/RelBiotecBrasil_1201_vf.pdf.> Acesso em: 15 mar. 2021.

CEPEA. PIB do agronegócio brasileiro Disponível em: :<https://www.cepea.esalq.usp.br/upload/kceditor/files/Cepea_PIB_1semestre_2020(1).pdf. Acesso em: 10 mar. 2021.

CIB; AGROCONSULT. 20 anos de transgênicos: benefícios ambientais, econômicos e sociais no Brasil. 2018. Disponível em: < https://croplife.storage.googleapis.com/1/2019/10/Vinte-anos-transgenicos.pdf>. Acesso em : 20 mar. 2021.

CODEX ALIMENTARIUS. International Food Standards. Disponível em:

<http://codexalimentarius.net/standards/stand.htm>. Acesso em: 5 mar. 2021.

FAO. The state of food insecurity in the world 2014. Food and Agriculture Organization of the United Nations. Home. Disponível em: <http://www.fao.org/publications/sofi/en/>. Acesso em: 6 mar. 2021.

GOMES, W. S.; BORÉN, A. Biotecnologia: Novo paradigma do Agronegócio Brasileiro. Revista de Economia e Agronegócio, vol.11, nº 1, 2015. Disponível em:< https://periodicos.ufv.br/rea/article/view/7539> Acesso em: 12 mar. 2021.

ISAAA. Situação Global dos Cultivos de Transgênicos em 2018. Disponível em < https://d335luupugsy2.cloudfront.net/cms/files/50569/15306214042018-07-03-ISAAA-Resumo-Executivo.pdf > Acesso em: 15 mar. 2021.

MALAJOVICH, M. A. Biotecnologia. Rio de Janeiro: BTeduc, 2016. Disponível em: < https://www.academia.edu/download/60857043/livro_de_biotecnologia_201620191010-13504-1hrhnzv.pdf>. Acesso em: 11 mar. 2021.

MALUF, A. C. R. F. D. Curso de Bioética e Biodireito. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2015.

National Academies of Sciences, Engineering, and Medicine. Genetically Engineered Crops: Experiences and Prospects. The National Academies Press, Washington, DC, 2016. Disponível em:< https://www.nap.edu/catalog/23395/genetically-engineered-crops-experiences-and-prospects>. Acesso em: 1 mar. 2021.

ONU. Cartagena Protocol on Biosafety to the Convention on Biological Diversity: text and annexes. Montreal: United Nations, 2000.

ONU. Declaração do Direito ao Desenvolvimento. Disponível em:< http://www.dhnet.org.br/direitos/sip/onu/spovos/lex170a.htm>. Acesso em: 25 fev. 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Convenção sobre Diversidade Biológica, 2008.

PAIVA, M. J. M.; DAMASCENO, I. A. M. O uso de dos alimentos geneticamente modificados: Principais desafios. Revista Multidebates, v. 4, n. 3, Palmas-TO, 2020.

SAATH, K.C.O.; FACHINELLO,A.L. Crescimento da demanda mundial de alimentos e restrições do fator terra no Brasil. Ver. Econ. Rural 56 (2), 2018.

VARGAS, B. D. et al. Biotecnologia e Alimentos Geneticamente Modificados: Uma Revisão. Revista Contexto & Saúde, v. 18, n. 35, p. 19-26, jul./dez. 2018. Disponível em:< https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoesaude/article/view/5591>. Acesso em: 5 mar. 2021.

Downloads

Publicado

30/07/2021

Como Citar

PEREIRA DA SILVA, V.; ALEXANDRE CAVICHIOLI, F. A IMPORTÂNCIA DE ALIMENTOS GENETICAMENTES MODIFICADOS PARA O AGRONEGÓCIO. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 18, n. 1, p. 355-367, 2021. DOI: 10.31510/infa.v18i1.1134. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/1134. Acesso em: 29 nov. 2021.

Edição

Seção

Tecnologia em Agronegócio