AS CONSEQUÊNCIAS DO ESTRESSE OCUPACIONAL NAS EMPRESAS DO SÉCULO XXI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v20i1.1617

Palavras-chave:

Estresse Ocupacional, Qualidade de vida, Consequências, Prejuízos na saúde

Resumo

O presente artigo teve como objetivo principal identificar as causas que levam ao estresse ocupacional nos colaboradores e levantar as possíveis consequências físicas e emocionais, e diante disso, foi analisado como a organização age mediante esse conflito e quais iniciativas ela implementa para minimizar os efeitos negativos. Teve, também, o intuito de mostrar o quão importante é o diagnóstico precoce para não resultar em prejuízos na saúde. A metodologia utilizado foi um levantamento bibliográfico em base de dados de maior relevância de trabalhos científicos já realizados e como instrumento de coletas de dados foi aplicado um questionário com 11 perguntas para 74 participantes da cidade de Araraquara e região, a fim de identificar a realidade da vida profissional dos indivíduos em relação ao cenário causado pelo estresse ocupacional e as doenças deixada por este mal. Obtivemos como resultados que o colaborador necessita estar bem mentalmente e fisicamente, para entregar resultados positivos e a organização deve estar atenta e preocupada com a qualidade de vida dos indivíduos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ALBERT, E.; URURAHY, G. Como se tornar um bom estressado. Rio de Janeiro: Salamandra. Consultoria Editorial LTDA, 1997, p139.

CHAPLIN, C. Productions. Tempos Modernos. Estados Unidos: 1936. (87 min.), P&B. Legendado. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=fCkFjlR7-JQ. Acesso em: 20 dez. 2022.

CHIAVENATO, I. Administração de Recursos humanos. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1999. p. 376.

COOPER, C. L. A natureza mutante do trabalho: o novo contrato psicológico e os estressores associados. In: Stress e qualidade de vida no trabalho: perspectivas atuais da saúde ocupacional. São Paulo: Atlas, 2005.

FRANÇA, A. C. L. Práticas de recursos humanos – prh: conceitos, ferramentas e procedimentos. In: Qualidade de vida, saúde e ergonomia. 1. ed. 14. reimpr. São Paulo: Atlas, 2014. cap. 8.

FRANÇA, A. C. L. Qualidade de vida no trabalho-QVT: conceitos e práticas nas empresas da sociedade pós-industrial. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2004. cap. 2. p. 32-45.

FRANÇA. A. C. L.; RODRIGUES, A. L. Stress e trabalho: uma abordagem psicossomática. São Paulo: Atlas, 2005. p. 191.

GALVÃO, D. Home office compromete saúde mental do trabalhador. In: Blog do Didi Galvão. Pernambuco, 21 mai. 2021. Disponível em: <https://www.didigalvao.com.br/home-office-compromete-saude-mental-do-trabalhador/>. Acesso em: 19 nov. 2022.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisas. São Paulo: Atlas, 2002, p. 176.

GIL, A. C. Gestão de pessoas: enfoque nos papéis profissionais.1. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

JEX, S.M.; BEEHR, T. A. Emerging Theoretical and Methodological Issued in the Study of Work-Related Stress. Research in Personnel and Human Resources Managemente, v. 9, p. 311-365, 1991.

LIPP, M. N. Stress na atualidade: qualidade de vida na família e no trabalho, 2010. Disponível em: <http://www.estresse.com.br/publicacoes/stress-na-atualidade-qualidade-de-vida-na-familia-e-no-trabalho/>. Acesso em: 08 dez. 2022.

NETTO, R. Qualidade de vida: Compromisso histórico da epidemiologia. In; MFL lima e Costa. & RP Sousa (orgs). Qualidade de vida: Compromisso histórico da epidemiologia. Belo Horizonte: Coopmed abrasco, 1999.

MARRAS, J. P. Administração de Recursos Humanos. Do operacional ao estratégico. 14 ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

MARTINS, L. F. Estresse ocupacional e esgotamento profissional entre profissionais da atenção primária à saúde. Dissertação (Mestrado em Psicologia) — Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2011.

PARAGUAY, A. I. B. Estresse, Conteúdo e Organização do Trabalho: Contribuições da Ergonomia para melhoria das condições de trabalho. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 1990. p. 70:40-43.

PIRES, R. Estresse: um mal que pode ser evitado. Gestão Coopereativa da Unimed, 1999. p. 6-20.

PRADO, C. E. Estresse ocupacional: causas e consequências. Revista brasileira de medicina do trabalho. São Paulo, v. 14, nº 3, p. 285-11, maio, 2016. Disponível em: <https://www.rbmt.org.br/details/122/pt-BR> acesso em: 03 out. 2022. DOI: https://doi.org/10.5327/Z1679-443520163515

QUICK, J. C. União contra o estresse. Proteção, revista mensal de saúde e segurança do trabalho, 2001. P. 119:8-14.

RODRIGUES, L. A.; GASPARINI, A. C. L. F. (1992). Uma perspectiva psicossocial em Psicossomática: via estresse e trabalho. In: Psicossomática Hoje Mello Filho, J. de (1992). Artes Médicas, Porto Alegre, p. 93-107.

SILVA, L.; SALLES, T. O estresse ocupacional e as formas alternativas de tratamento. Redape, revista de carreiras pessoais, p. 234-247, mai. 2016. DOI: https://doi.org/10.20503/recape.v6i2.29361

SANTOS, J. C. de S. As diferentes eras das organizações e a formação do capital humano. Brasil Escola, 2022. Disponível em: <https://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/administracao/as-diferentes-eras-das-organizacoes-formacao-capital.htm>. Acesso em: 09 nov. 2022.

Downloads

Publicado

30/06/2023

Como Citar

DOS SANTOS, I. M.; SANTOS, N. C. R.; DA COSTA, E. C. AS CONSEQUÊNCIAS DO ESTRESSE OCUPACIONAL NAS EMPRESAS DO SÉCULO XXI. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 20, n. 1, p. 324–336, 2023. DOI: 10.31510/infa.v20i1.1617. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/interfacetecnologica/article/view/1617. Acesso em: 14 abr. 2024.

Edição

Seção

Tecnologia em Gestão Empresarial

Métricas