ANÁLISE GERAL DO USO DE AGROTÓXICOS NO BRASIL

Autores

  • Gabrielle Kimberlly Rico Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil https://orcid.org/0000-0001-9542-8533
  • Fábio Alexandre Cavichioli Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v15i2.505

Palavras-chave:

Legislação, Produtividade, Uso Seguro, Incentivos

Resumo

O uso de agrotóxicos vem se difundindo na agricultura desde o término da Segunda Guerra Mundial, quando o primeiro composto químico, após ser utilizado por soldados como arma química, passou a ser evidenciado com propriedades inseticidas. Desde então, a busca por novas tecnologias químicas e o seu emprego nas lavouras tornou-se constante. Por meio de uma revisão bibliográfica, este estudo objetivou quantificar e qualificar o uso de agrotóxicos no cultivo agrícola, uma vez que, junto ao crescente potencial produtivo, cresce o dispêndio de agrotóxicos. A evidência de dados sobre a agricultura brasileira e sua alta produtividade faz persuadir a utilização indiscriminada de agrotóxicos e os impactos decorrentes ao seu uso imprudente. A legislação e os órgãos regentes se fazem presentes desde a fabricação até o emprego final dos mesmos, atribuindo a sociedade agrícola a sensatez do seu uso. O país e o mundo incentivam, de forma direta e indireta, o emprego de defensivos, pois os resultados obtidos com a Revolução Verde após a inserção de políticas públicas para o agronegócio foram aspectos relevantes para o estímulo da economia mundial, favorecendo o capitalismo e o neoliberalismo. Por fim, a sociedade, em geral, triunfa da produtividade que faz jus ao emprego de agrotóxicos nas atividades agrícolas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ABRAPA. Associação Brasileira dos Produtores de Algodão. Câmara Temática dos Insumos Agropecuária – CTIA. Grupo de Trabalho Melhorias da Competitividade dos Defensivos Agrícolas. Brasília, jun. 2017.

ANVISA lista riscos de nove agrotóxicos proibidos para alertar sobre impacto de possível mudança de lei. Disponível em: <https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/anvisa-lista-riscos-de-nove-agrotoxicos proibidos-para-alertar-sobre-impacto-de-possivel-mudanca-em-lei.ghtml>. Acesso em: 05 set. 2018.

Brasil ainda usa agrotóxicos já proibidos em outros países. Nov. 2015. Disponível em: <https://www.terra.com.br/noticias/brasil-ainda-usa-agrotoxicos-ja-proibidos-em-outros-paises,ccf948651d9b4e31daf88c3529f8f4f6z95bv455.html>. Acesso em: 04 set. 2018.

BRASIL. Decreto n.º 4.074, de 04 de janeiro de 2002. Regulamenta a Lei no 7.802, de 11 de julho de 1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências. Brasília, DF, jan. 2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/cciviL_03/decreto/2002/D4074.htm>. Acesso em: 27 ago. 2018.

BRASIL. Decreto nº 5.981, de 6 de dezembro de 2006. Dá nova redação e inclui dispositivos ao Decreto no 4.074, de 4 de janeiro de 2002, que regulamenta a Lei no 7.802, de 11 de julho de 1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins. Brasília, DF, dez. 2006. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5981.htm>. Acesso em: 27 ago. 2018.

BRASIL. Lei nº 7.802, de 11 de julho de 1989. Dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências. Brasília, DF, jul. 1989. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7802.htm>. Acesso em: 27 ago. 2018.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Departamento de Fiscalização de Insumos Agrícolas. Coordenação- Geral de Agroquímicos e Afins. Resumo de Registro de Agrotóxicos e Afins, 2017. Disponível em: < http://www.agricultura.gov.br/>. Acesso em: 27 ago. 2018.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria MTE n.º 86, de 03 de março de 2005. NR 31 - Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura. Esta Norma Regulamentadora tem por objetivo estabelecer os preceitos a serem observados na organização e no ambiente de trabalho, de forma a tornar compatível o planejamento e o desenvolvimento das atividades da agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e aquicultura com a segurança e saúde e meio ambiente do trabalho. Brasília, DF, mar. 2005. Disponível em: <http://trabalho.gov.br/images/Documentos/SST/NR/NR31.pdf>. Acesso em: 19 set. 2018.

BRITO, P. F.; GOMIDE, M.; CÂMARA, V. M. Agrotóxicos e saúde: realidade e desafios para mudança de praticas na agricultura. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 19 [1]: 207-225, 2009.

CASTRO, J. S. M. Práticas de uso de agrotóxicos no município de Cachoeiras de Macacu, RJ: um estudo de saúde ambiental. 1999. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Geociências, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1999.
GOMIDE, M. Agrotóxico: que nome dar? Ciênc. Saúde Coletiva, v. 10, n. 4, p. 707-714, 2005.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Tabela 5457 – Área plantada ou destinada à colheita, área colhida, quantidade produzida, rendimento médio e valor da produção das lavouras temporárias e permanentes. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/home/ipca/brasil>. Acesso em: 03 out. 2018.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2018. Nota Técnica IV – Crescimento e Produtividade da Agricultura Brasileira de 1975 a 2016. Disponível em: <http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/8326/1/cc38_nt_crescimento_e_producao_da_agricultura_brasileira_1975_a_2016.pdf>. Acesso em: 02 out. 2018.


PERES, F.; MOREIRA, J. C.; DUBOIS, G. S. Agrotóxicos, saúde e ambiente: uma introdução ao tema. In: PERES, F.; MOREIRA, J. C. (orgs.). É veneno ou é remédio? Agrotóxicos, saúde e ambiente. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003. p. 21-41.

PIGNATI, W.; OLIVEIRA, N. P.; SILVA, A. M. C. Vigilância aos agrotóxicos: quantificação do uso e previsão de impactos na saúde-trabalho-ambiente para os municípios brasileiros. Ciência e Saúde Coletiva, 19(12): 4669-4678, 2014.

RIGOTTO, R. M. Agrotóxicos. Núcleo TRAMAS – Trabalho, Meio Ambiente e Saúde para a Sustentabilidade Universidade Federal do Ceará. [200-?].

SINDIVEG. Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal, 2018. O que você precisa saber sobre defensivos agrícolas. Disponível em: <http://sindiveg.org.br/wp-content/uploads/2018/08/oquevoceprecisasabersobredefensivosagricolas.pdf>. Acesso em: 01 out. 2018.

WAICHMAN, A.V. A problemática do uso de agrotóxicos no Brasil: a necessidade de construção de uma visão compartilhada por todos os atores sociais. Rev. Bras. Saúde ocup., São Paulo, 37 (125): 17-50, 2012.

Downloads

Publicado

30/12/2018

Como Citar

RICO, G. K.; CAVICHIOLI, F. A. ANÁLISE GERAL DO USO DE AGROTÓXICOS NO BRASIL. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 425–435, 2018. DOI: 10.31510/infa.v15i2.505. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/interfacetecnologica/article/view/505. Acesso em: 27 set. 2022.

Edição

Seção

Tecnologia em Agronegócio

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>