COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v20i2.1779

Palavras-chave:

Segurança, Resíduos, Riscos ocupacionais, Acidentes

Resumo

Este estudo baseia-se na observação dos prováveis riscos ocupacionais aos quais os funcionários que trabalham na coleta seletiva estão expostos durante sua jornada de trabalho. Os principais riscos expostos pelos coletores e percebidos no estudo são a disposição inadequada de cacos de vidro, contusões/entorses e quedas do veículo de transporte, que são as causas mais comuns de acidentes nessa categoria. As empresas de coleta seletiva fornecem todos os equipamentos de proteção individual necessários para a atividade, mas a probabilidade de os funcionários não utilizarem esses equipamentos tem aumentado o número de ocorrências de acidentes. O estudo mostra que a população tem um certo desprezo e discriminação por esse tipo de trabalhador, o que não deveria acontecer, devido ao valor que esse profissional tem para a sociedade, aliado ao seu trabalho árduo e aos riscos a que estão expostos na rotina diária de trabalho. Ações conjuntas entre o governo, as empresas de coleta seletiva e a sociedade tornariam a situação desses trabalhadores mais favorável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10.004: Resíduos sólidos – Classificação. Rio de Janeiro, 2004c. 71 p.

ABRELPE, 2021, PANORAMA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL, Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. Disponível em: https://abrelpe.org.br/panorama-2021. Acesso em: 12 fev. 2023.

ALMEIDA C.B.; PAGLIUCA L.M.F; LEITE A.L.A.S. Acidentes de trabalho envolvendo os olhos: avaliação de riscos ocupacionais com trabalhadores de enfermagem. Rev. Latino-am. Enfermagem 2005 setembro-outubro; 13(5): 708-16. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/2139/2230. Acesso em: 10 nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692005000500015

ARRUDA, E. C. et al. Pro-environmental behavior and recycling: literature review and policy considerations. Ambiente & Sociedade, v. 21, p. 21-37, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-4422asoc0209r3vu18l4ao

BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília, DF: palácio do Planalto. 2010b.Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em: 11 out. 2022.

BRASIL. Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico; cria o Comitê Interministerial de Saneamento Básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.666, de 21 de junho de 1993, e 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; e revoga a Lei nº 6.528, de 11 de maio de 1978. Brasília, DF: palácio do Planalto. 2007. Acesso em: 11 out. 2022.

BRASIL. Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977. Altera o Capítulo V do Título II da Consolidação das Leis do Trabalho, relativo à segurança e medicina do trabalho e dá outras providências. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6514.htm. Acesso em: 14 mar. 2023.

BRASIL. Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm#:~:text=Art.%201%C2%BA%20A%20Previd%C3%AAncia%20Social,daqueles%20de%20quem%20dependiam%20economicamente. Acesso em: 14 mar. 2023.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. NR 06 – Equipamento de Proteção Individual – EPI. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2019.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. NR 09 – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2021.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. NR 38 – Segurança e saúde no trabalho nas atividades de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos. https://www.gov.br/trabalho-e-previdencia/pt-br/composicao/orgaos-especificos/secretaria-de-trabalho/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/sst-portarias/2022/portaria-mtp-n-o-4-101-aprova-a-nr-38-retificada.pdf/@@download/file/Portaria%20MTP%20n.%C2%BA%204.101%20(Aprova%20a%20NR-38)%20-%20Retificada.pdf. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2022. Acesso em: 16 jan. 2023.

BAPTISTA, V. F. As políticas públicas de coleta seletiva no município do Rio de Janeiro: onde e como estão as cooperativas de catadores de materiais recicláveis? Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 49, n. 1, p. 141-164, 2014. Acesso em: 11 mar. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-76121603

BRASIL. Ministério do Trabalho e Previdência. Relação Anual de Informações Sociais – RAIS. Ano base 2019. Disponível em http://pdet.mte.gov.br/rais. Acesso em: 22 fev. 2023.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Previdência. Relatório análise de impacto Regulatório: Segurança e saúde no trabalho para o setor de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos. Disponível em: https://www.gov.br/trabalho-e-previdencia/relatorios-de-air-1/relatorio-air-limpeza-urbana-manejo-residuos.pdf/view. Acesso em: 10 nov. 2022.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Previdência. Secretaria do Trabalho. Subsecretaria de Inspeção do Trabalho. Coordenação-Geral de Segurança e Saúde no Trabalho. Comissão Tripartite Paritária Permanente. Normas Regulamentadoras. NR. Brasília, 22 out. 2020. Disponível em: https://www.gov.br/trabalho-e-previdencia/pt-br/composicao/orgaos-especificos/secretaria-de-trabalho/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/ctpp-nrs/normas-regulamentadoras-nrs. Acesso em: 21 fev. 2023.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P.A. Metodologia Cientifica. 6ª edição. São Paulo, Editora Afiliada, 2006.

CONKE, L. S.; NASCIMENTO, E. P. A coleta seletiva nas pesquisas brasileiras: uma avaliação metodológica. Disponível em: https://www.scielo.br/j/urbe/a/C5NJZ9MSPRg8tBw

z8yd4KXJ/?lang=pt. Acesso em: 14 nov. 2022.

EIGENHEER, E. M.; FERREIRA, J. A. Três décadas de coleta seletiva em São Francisco (Niterói/RJ): lições e perspectivas. Disponível em: https://www.scielo.br/j/esa/a/fQNqxXrhv44bwfrrczPXQWy/?lang=pt. Acesso em: 09 out. 2022.

GOUVEIA, N. Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & Saúde Coletiva, São Paulo, v.17, n.6. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?frbrVersion=3&script=sci_arttext&pi DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000600014

d=S1413-81232012000600014&lng=en&tlng=en>. Acesso em: 11 mar. 2023.

LEAL, Bruno Soares. Diagnóstico dos riscos ocupacionais nos serviços de limpeza urbana de um município: um paradoxo na gestão pública. 2018. 35 p. Monografia - Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho, Centro Universitário de João.

Normas Regulamentadoras – NR https://www.gov.br/trabalho-e-previdencia/pt-br/composicao/orgaos-especificos/secretaria-de-trabalho/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/ctpp-nrs/normas-regulamentadoras-nrs. Acesso em: 17 mar. 2023.

PASSOS, Fabiany Santana et al. Desafios para a Saúde e Segurança do trabalho dos garis: uma discussão sobre o uso dos EPI’s pelos trabalhadores responsáveis pela coleta dos resíduos sólidos urbanos. 2018, 1° Congresso Sul-Americano de Resíduos Sólidos e Sustentabilidade, Gramado, 5 p., 2018. Acesso em: 19 mar. 2023.

PEDROSA, Fabiana Ponte; GOMES, Adriana Alves; MAFRA, Andrey da Silva; ALBURQUE, Eliene Zacarias Rodrigues; PELENTIR, Marli Gisieli da Silva Aquino – Segurança do trabalho dos profissionais da coleta de lixo na cidade de Boa Vista – RR – 2010. São Carlos – São Paulo. 12p. Disponível em < http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2010_tn_sto_127_819_14884.pdf>. Acesso em: 08 fev. 2023.

PRATES, L. F. S.; PIMENTA, C. F.; RIBEIRO, H. F. Alternativas tecnológicas para tratamento de resíduos sólidos urbanos. APPREHENDERE – Aprendizagem & Interdisciplinaridade, V (1), n. 2 (Edição Especial), 2019.

PESSOA – UNIPÊ, 2018. Diagnostico dos riscos ocupacionais nos serviços de limpeza urbana de um município. Disponível em: <https://bdtcc.unipe.edu.br/publications/diagnostico dos-riscos-ocupacionais-nos-servicos-de-limpeza-urbana-de-um-municipio-um-paradoxo-na gestão-publica-bruno-soares-leal/>. Acesso em: 08 mar. 2023.

RODRIGUES, W.; SANTANA, W. C. (2012). Análise econômica de sistemas de gestão de resíduos sólidos urbanos: o caso da coleta de lixo seletiva em Palmas, TO. Disponível em: https://www.scielo.br/j/urbe/a/pHZPF57jdqLggGcHmkPxXhg/abstract/?lang=pt. Acesso em: 08 mar. de 2023. DOI: https://doi.org/10.7213/urbe.7402

SANTOS, A. C. Política Nacional de Resíduos Sólidos: aspectos relevantes para a destinação final. Revista Direito Ambiental e sociedade, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 55-69, 2019. Acesso em: 09 jan. 2023.

SANTOS, G. O. - Interfaces do lixo com o trabalho, a saúde e o ambiente − artigo de revisão – 2009. Fortaleza – Ceará. 10p. Disponível em < http://periodicos.univille.br/index.php/RSA/article/viewFile/233/196>. Acesso em: 09 jan. 2023.

SILVA, J. A. A aplicação final dos resíduos sólidos urbanos nos municípios brasileiros. São Paulo: Editora ABC, 2021.Disponível em: https://repositorio.ifes.edu.br/bitstream/handle/123456789/3293/9788582636619.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 09 jan. 2023.

SILVEIRA, Iris Sandra Fontana – Avaliação dos riscos ocupacionais na coleta de resíduos sólidos domiciliares de Cuiabá/MT, 2009. Monografia de Conclusão do Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho da Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá – Mato Grosso. 178p. Disponível em < http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0C B8QFjAA&url=http%3A%2F%2Feest.phza.net%2Findex.php%3Foption%3Dcom_docman%26task%3Ddoc_do. Acesso em: 09 jan. 2023.

SOUZA, Diego de Oliveira - A sistematização da assistência de enfermagem (SAE) aos profissionais da coleta de lixo urbano, 2009. Ceará – Fortaleza. 3p. Disponível em <http://www.abeneventos.com.br/anais_61cben/files /01816.pdf>. Acesso em: 23 jan. 2023.

Downloads

Publicado

20/12/2023

Como Citar

HUGO TUNIATI, V.; RODOLPHO, D. . COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 20, n. 2, p. 586–597, 2023. DOI: 10.31510/infa.v20i2.1779. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/interfacetecnologica/article/view/1779. Acesso em: 30 maio. 2024.

Edição

Seção

Tecnologia em Produção Industrial

Métricas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>