[1]
G. A. Barão Junior e N. M. Soares, “OBSOLESCÊNCIA PROGRAMADA: produtos com hora marcada para morrer”, INFA, vol. 17, nº 1, p. 648-660, ago. 2020.