MARCAS COMERCIAIS E ESTÍMULOS SENSORIAIS

como cheiros, gostos, sons, formatos e outras características sensoriais podem ajudar a reforçar a conexão entre marcas e consumidores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v17i2.961

Palavras-chave:

Gestão de marcas, Comunicação, Estímulos sensoriais, Experiências ricas

Resumo

Novas marcas surgem com frequência no mercado, saturando ainda mais os segmentos e, em consequência, aumentando a concorrência, que já não é pouca. Diante disto, as marcas precisam encontrar mecanismos para se destacarem e continuarem a ganhar a atenção e a confiança de seus públicos de interesse. Posto desta forma, este estudo procura compreender melhor a importância das comunicações para as marcas comerciais e como é que as experiências que incluem gostos, cheiros, sons, formatos, texturas e outras características sensoriais podem contribuir para a recordação de marcas, produtos e serviços. A fim de avaliar estes conceitos na prática, o estudo propõe uma pesquisa quantitativa, em que 100 consumidores oferecem interessantes opiniões acerca da influência dos aspectos sensoriais quanto a conexão que eles possuem com as marcas que utilizam. O que se percebe, a partir deste trabalho, é que quanto mais uma marca investir em estímulos sensoriais, mais oportunidades tem de se destacar e ser lembrada com muito mais facilidade por parte do público de consumidores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BATEY, Mark. O significado da marca: como as marcas ganham vida na mente dos consumidores. Rio de Janeiro: Best Business, 2010.

BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. 2 ed. Lisboa: Edições 70, 2007.

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Zahar, 2004

CAMPBELL, Colin. A ética romântica e o espírito do consumismo moderno. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

KOTLER, Philip; ARMSTRONG, Gary. Princípios de Marketing. 15 ed. São Paulo: Person Education do Brasil, 2015.

LINDSTROM, Martin. Brandsense: segredos sensoriais por trás das coisas que compramos.

Porto Alegre: Bookman, 2012.

LIPOVETSKY, Gilles. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. 5 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2014.

MASLOW, Abraham H. A theory of Human Motivation. Psychological Review, n.50, p. 370-396, jul. 1943. Disponível em: < http://psychclassics.yorku.ca/Maslow/motivation.htm >. Acesso em: 22 set. 2020.

NORDSTROM, Kjell; RIDDERSTRALE, Jonas. Funky Business: talento movimenta capitais. São Paulo: Makron Books, 2001

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 25 ed. Rio de Janeiro: Record, 2015

SCHWERINER, Mario E. R. Comportamento do consumidor: identificando necejos e supérfluos essenciais. São Paulo: Saraiva, 2006

VEBLEN, Thorstein B. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

Downloads

Publicado

18/12/2020

Como Citar

FRANCO BRAZÍLIO, T.; DEL VECHIO, G. H. MARCAS COMERCIAIS E ESTÍMULOS SENSORIAIS: como cheiros, gostos, sons, formatos e outras características sensoriais podem ajudar a reforçar a conexão entre marcas e consumidores. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 462-473, 2020. DOI: 10.31510/infa.v17i2.961. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/961. Acesso em: 24 out. 2021.

Edição

Seção

Tecnologia em Gestão Empresarial