CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS NA LINHA DE PRODUÇÃO PARA TRABALHADORES EXPOSTOS POR UM DETERMINADO TEMPO EM AMBIENTES FRIOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v17i2.953

Palavras-chave:

Câmaras frias, Horas de trabalho, EPI's

Resumo

Este artigo apresenta as causas e consequências de colaboradores que exercem funções em câmaras frias e não utilizam ou não são fornecidos adequadamente os EPI’s, podendo causar lesões graves, para o colaborador e até mesmo para a empresa. Mostra os EPI’s e as descrições de cada item segundo a NR 6, sendo deste luvas, japona, capuz balaclava, bota térmica e calça, todos com forro térmico para suportar as baixas temperaturas das câmaras frias. As horas de trabalho em câmaras frias, segundo o artigo 253 da CLT, conforme a NR 36 onde as horas de trabalho, as pausas necessárias e a tolerância para as pausas, onde as empresas devem ter o revezamento dos funcionários, preservando a saúde e bem-estar dos mesmos. Os pontos para avaliar as condições de trabalho sendo os ruídos internos e externos, o conforto térmico sendo uma medida de prevenção aos riscos ocupacionais que acometem aos trabalhadores dessa área, os agentes biológicos onde se deve ter uma higienização correta dos locais de trabalho. Os resultados apresentados e discussões de uma fábrica de embutidos com os colaboradores que não utiliza adequadamente um determinado EPI causando possivelmente o Fenômeno de Raynaud, concluindo que é essencial que toda empresa do ramo de abatedouro, frigoríficos e derivados de carne siga as NR 36 e a NR 6.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANAMT – Associação Nacional de Medicina do Trabalho. Canpat: frigoríficos estão entre os ambientes com mais riscos. 12 de abril de 2019. Disponível em: <https://www.anamt.org.br/portal/2019/04/12/canpat-frigorificos-estao-entre-os-ambientes-com-mais-riscos/>. Acesso em 29 de mar de 2020.

BRASIL. Decreto-lei n° 5.452, de 1° de maio de 1943. Rio de Janeiro, 1943. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-5452-1-maio-1943-415500-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 01 de abr de 2020.

_______. Portaria MTb n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 e Suas Atualizações. NR 6 - Equipamento de Proteção Individual – EPI. Brasília, 2018. Disponível em: <http://www.normallegais.com.br/legislacao/trabalhosta/nr/nr6.htm>. Acesso em: 6 de mar de 2020.

_______. Portaria MTE n.º 555, de 18 de abril de 2013 e Suas Atualizações. NR-36 - Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados. Brasília, 2018. Disponível em: <http://trabalho.gov.br/images/Documentos/SST/NR/nr-36-atualizada-2018-II.pdf>. Acesso em: 01 de abr de 2020.

EPI’s ONLINE. Equipamentos de Proteção Individual. Luva de Látex Multiuso Amarela Volk. Bauru, 2020. Disponível em: <https://www.episonline.com.br/produto/luva-de-latex-multiuso-amarela-volk-64734>. Acesso em: 13 de mar de 2020.

ESTEVES, Manuel Jose de Lurdes. Implicações fisiológicas em trabalhadores expostos a ambientes frios na produção industrial de abatedouros. 2003. Dissertação (mestrado). Disponível em: <http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/86209>. Acesso em 30 de ago de 2020.

LOUREDO, L. A segurança do trabalho para a indústria do setor de frigoríficos. Mayara Vale – Consultoria de Alimentos, 23 de junho de 2017. Disponível em: <https://consultoradealimentos.com.br/boas-praticas/seguranca-do-trabalho/>. Acesso em: 29 de mar de 2020.

MARRA, G. C.; SOUZA, L. H. de; CARDOSO, T. A. O. Biossegurança no trabalho em frigoríficos: da margem do lucro à margem da segurança. Ciênc. Saúde Coletiva, Vol.18, n° 11, Rio de Janeiro, nov. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013001100016>. Acesso em: 29 de mar de 2020.

MATOS, Marcos Paiva. Exposição ocupacional ao frio. Revista Nacional de Carne, p. 86-98, Novembro, 2007. Edição Especial.

OLIVEIRA, Joaquim Fernando Correia de. Influência da Exposição a Frio Severo nos Parâmetros Fisiológicos. 2018. Dissertação (Mestrado em Mestre Engenharia de Segurança e Higiene Ocupacionais) - Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Portugal, 2018.

SANTOS, M.; ALMEIDA, A. Saúde Ocupacional e Baixas Temperaturas. Revista Portuguesa de Saúde Ocupacional Online, 2016, volume 2, s73-s78. DOI:10.31252/RPSO.14.12.2016. Acesso em 27 de ago de 2020.

SUSIN, Ruan Carlos. Exposição ocupacional em ambientes frios: avaliação e aplicação da metodologia do IREQ. 2015. 67f. Trabalho de Conclusão de Curso. Disponível em: <http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/5661/1/PB_DAMEC_2015_2_8.pdf>. Acesso em 07 de set de 2020.

TAKEDA, F.; MORO, A. R. P. Limites de Exposição Ocupacional das Normativas Brasileiras de Saúde e Segurança em Trabalhos com Baixas Temperaturas. Revista Produção Online. Florianópolis, SC, v.17, n. 4, p. 1249-1271, 2017. Acesso em 06 de mar de 2020.

Downloads

Publicado

18/12/2020

Como Citar

BRAGANTIN DA SILVA, F. C.; RODOLPHO, D. CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS NA LINHA DE PRODUÇÃO PARA TRABALHADORES EXPOSTOS POR UM DETERMINADO TEMPO EM AMBIENTES FRIOS. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 731-742, 2020. DOI: 10.31510/infa.v17i2.953. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/953. Acesso em: 24 out. 2021.

Edição

Seção

Tecnologia em Produção Industrial