DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NA GERAÇÃO DE VALOR PARA AS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

Autores

  • Willian Di Gaetano Bassi Faculdade de Tecnologia de Matão (Fatec) – Matão – São Paulo – Brasil
  • Angelita Moutin Segoria Gasparotto Faculdade de Tecnologia de Matão (Fatec) – Matão – São Paulo – Brasil
  • Gilmerson Inácio Gonçalves Faculdade de Tecnologia de Matão (Fatec) – Matão – São Paulo – Brasil

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v17i1.705

Palavras-chave:

Sustentabilidade, Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, Valor Compartilhado, Fronteiras Planetárias, Limites Planetários

Resumo

Este artigo objetiva analisar os processos industriais de uma empresa que atua na produção de suco de laranja, como suas operações se relacionam com os conceitos de sustentabilidade, valor compartilhado e sua sintonia com os objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS). O estudo aborda também temas relevantes para produção sustentável bem como apresenta os motivadores para a mudança de comportamento do mercado consumidor, baseando-se nos conceitos de fronteiras planetárias e limites de crescimento. O objetivo do estudo é entender como os conceitos de sustentabilidade podem contribuir para a agregação de valor à empresa e como suas operações se relacionam com estes conceitos, sua sintonia com os objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS), impactos e os resultados gerados advindos do desenvolvimento sustentável da organização. Os resultados obtidos demostram que as organizações empresariais que são sustentavelmente responsáveis pode obter vantagens competitivas haja visto a mudança no comportamento dos clientes e investidores. Concluiu-se que a empresa estudada possui em seu planejamento estratégico e em seu âmago a inclusão de ações sustentáveis em todas as operações de sua cadeia de valor e esta forma de fazer negócios vem trazendo resultados positivos a organização e para a sociedade onde ela está inserida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, F. O bom negócio da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

CLARO, Priscila Borin de Oliveira; CLARO, Danny Pimentel. Sustentabilidade estratégica: existe retorno no longo prazo? Rev. Adm. (São Paulo), São Paulo, v. 49, n. 2, p. 291-306, June 2014.

Conheça os novos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas. Disponível: https://nacoesunidas.org/conheca-os-novos-17-objetivos-de-desenvolvimento-sustentavel-da-onu/amp/. Acesso em 24 de outubro de 2019, 09:50h.

DRUCKER, P. Sociedade Pós-Capitalista. 5. ed. São Paulo: Pioneira, 1993

FREITAS; P. Metodologia do Trabalho Científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Universidade Feevale, 2013.

HART, S.; PRAHALAD, C. K. The fortune at the bottom of the pyramid. Strategy+Business Vol. 26, January, pages 54–67, 2002.

KIRON, D., KRUSCHWITZ, N., HAANAES, K., REEVES, M., & GOH, E. (2013). The innovation bottom line. MIT Sloan Management Review, 54(3), 1-21. Disponível em https://sloanreview.mit.edu/projects/the-innovation-bottom-line/#chapter-7. Acesso em 16/11/2019 às 20:31 h.

LUCCHESI, S. Sustentabilidade e Responsabilidade Social nas Empresas Brasileiras. Disponível: https://administradores.com.br/noticias/sustentabilidade-e-responsabilidade-social-nas-empresas-brasileiras. Acesso em 25 de outubro de 2019, 14:03h.

MANFRIN, Pâmela Mocelin et al. Um panorama da pesquisa em operações sustentáveis. Prod. Online.2013, vol.23, n.4, pp.762-776. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65132013000400008&lng=pt&nrm=iso>.

MEADOWS, D. H.; RANDERS, J.; BEHRENS, W.W. Limits to Growth. New York, 1972.
Momento de Ação Global Para as Pessoas e o Planeta. Disponível: https://nacoesunidas.org/pos2015/. Acesso em 23 de outubro de 2019, 14:30h.

PORTER, M. E. O Capitalismo do valor compartilhado. HSM Management. Setembro/outubro, 2011

PORTER, M. E.; KRAMER M. The Big Idea: Creating Shared Value. Harvard Business Review, Vol. 89, No. 12, January/February 2011.

______Strategy and society: the link between competitive advantage and corporate social responsibility. Harvard Business Review, Vol. 84 No. 12, pp. 78-92, 2006.

RAMPAZZO, L. Metodologia Científica: para alunos dos cursos de graduação e pós-graduação. 3. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

ROCKSTRÖM, J. et al. Planetary boundaries: exploring the safe operating space for humanity. Ecology and Society, v. 14, n. 2, p. 32, 2009. Disponível em: <http://www.ecologyandsociety.org/vol14/iss2/art32/>. Acesso em: 12 fev. 2011.

RODRIGUES, F. Fique por dentro do vocabulário corporativo. Disponível: https://www.linkedin.com/pulse/vocabul%C3%A1rio-corporativo-francinei-rodrigues. Acesso em 30 de novembro de 2019, 14:32h.

STUART L. Hart e MARK B. Milstein. Criando valor Sustentável. Texto traduzido por Pedro F. Bendassolli Artigo originalmente publicado na Academy os Management Executive, v. 17, n. 2, p. 56-69, maio 2003.

SUCENA, Erika; MARINHO, Marcia Mara de Oliveira. Environmental disclosure analysis of sustainability reports the Brazilian and international brewing industry based on Global Reporting Initiative - GRI. Gest. Prod., São Carlos, v. 26, n. 3.

VIOLA, Eduardo; FRANCHINI, Matías. Os limiares planetários, a Rio+20 e o papel do Brasil. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 470-491, set. 2012. Disponível em. http://dx.doi.org/10.1590/S1679-39512012000300002. Acessos em 25 nov. 2019.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 4.ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Publicado

04/08/2020

Como Citar

BASSI, W. D. G.; GASPAROTTO, A. M. S.; GONÇALVES, G. I. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NA GERAÇÃO DE VALOR PARA AS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 17, n. 1, p. 279-291, 2020. DOI: 10.31510/infa.v17i1.705. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/705. Acesso em: 27 set. 2020.

Edição

Seção

Tecnologia em Agronegócio