ACESSIBILIDADE

o uso de tecnologias assistivas para deficientes visuais

Autores

  • Daiane Perpétua Rodrigues da Silva Faculdade de Tecnologia de Catanduva (FATEC) –SP –Brasil
  • Elsa de Vietro Freitas Faculdade de Tecnologia de Catanduva (FATEC) –SP –Brasil
  • Liriane Soares Araújo Faculdade de Tecnologia de Catanduva (FATEC) –SP –Brasil

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v16i2.638

Palavras-chave:

Acessibilidade, Deficiente Visual, Tecnologias Assistivas, Inclusão Social

Resumo

A Acessibilidade junto as Tecnologias Assistivas pode promover a interação das pessoas com deficiência visual, fazendo com que elas possam se comunicar com o mundo ao seu redor. Além disso, elas podem sanar algumas dificuldades encontradas no processo de desenvolvimento e adaptação na aprendizagem, minimizando as desigualdades sociais que ainda existem na sociedade. O objetivo deste trabalho é auxiliar na propagação e uso de tecnologias a fim de proporcionar à pessoa com deficiência visual, maior independência, qualidade de vida e inclusão social, por meio da ampliação de sua comunicação, mobilidade, controle de seu ambiente, habilidades de seu aprendizado, trabalho e integração com a família, amigos e sociedade. Para isso, é realizado um estudo de caso em uma instituição do município de Catanduva, que tem a missão de possibilitar o desenvolvimento educacional, digital, cultural do deficiente visual. A metodologia de pesquisa desse trabalho envolve uma abordagem qualitativa, que abrange a descrição textual da análise realizada, de natureza aplicada com procedimento exploratório e descritivo, bem como uma análise comparativa entre tecnologias assistivas, visando a tomada de decisão no momento de escolha de uma tecnologia específica para o usuário. Espera-se auxiliar usuários com necessidades especiais na escolha e uso destas tecnologias, facilitando suas atividades e o acesso às informações na inclusão social. Foi possível concluir que a Ong possui duas categorias de deficiência visual, consistindo em cegueira total e baixa visão, os quais conhecem algumas tecnologias assistivas. Algumas dessas tecnologias foram identificadas a partir do levantamento bibliográfico como DOSVOX, Lupa de aumento, Display Braille e Aipoly Vision e comparada em relação sua função e vantagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACESSIBILIDADE BRASIL. 2014. Disponível em: <www.acessibilidade.org.br/joomla/o-que-e-acessibilidade>. Acesso em: 02 mar. 2019.
ALONSO, Daniela. Educação: os desafios da educação inclusiva. 2017. Disponível em: <http://www.crianca.mppr.mp.br/2017/03/12701,37/>. Acesso em: 11 ago. 2019.
BERSCH, Rita. Introdução à Tecnologia Assistiva. 2013. Disponível em:
<http://www.assistiva.com.br/Introducao_Tecnologia_Assistiva.pdf>. Acesso em 17 mar.
2019.
BERSCH, Rita. Introdução à Tecnologia Assistiva. 2017. Disponível em <https://www.passeidireto.com/arquivo/44809897/bersch-rita-introducao-tecnologia-assistiva-2017/5>. Acesso em: 11 ago. 2019.
BRASIL ECONÔMICO. Be My Eyes: aplicativo que conecta cegos a voluntários ganha versão para Android. 2017. Disponível em: <https://tecnologia.ig.com.br/2017-10-05/be-me-eyes.html>. Acesso em: 17 ago. 2019.
CARVALHO, Edneia Maria de. Acessibilidade e inclusão de alunos com deficiência física e/ou mobilidade reduzida: Perspectivas de atuação de biblioteca escolar do colégio militar de Juiz de Fora. 2017. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO. Disponível em: <http://www.unirio.br/ppgb/arquivo/edneia-maria-de-carvalho>. Acesso em: 25 abr. 2019.
D´ÁVILA, Renato. Tecnologias e legislação para acessibilidade à mídia. 2017. Disponível em: <http://observatoriodaimprensa.com.br/cidadania/tecnologias-e-legislacao-para-acessibilidade-midia/>. Acesso em: 03 mar. 2019.
DUARTE, Vânia Maria do Nascimento. Pesquisas: exploratória, descritiva e explicativa. 2019. Monografias Brasil Escola. Disponível em:<https://monografias.brasilescola.uol.com.br/regras-abnt/pesquisas-exploratoria-descritiva-explicativa.htm>. Acesso em: 13 abr. 2019.
FERRAZ, Reinaldo. Acessibilidade na web. São Paulo: Editora Senac, 2017.
GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. Métodos de Pesquisa. Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural d SEAD/UFRGS – Porto Alegre. 2009. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf>. Acesso em: 05 mai. 2019.
GREGORATO, Matheus Obozovski; SOUZA, Victor Torres de. Acessibilidade e tecnologia assistiva: Uma abordagem de auxílio para usuários com necessidades especiais. FATEC Catanduva, Trabalho de Graduação Gestão da Tecnologia da Informação, 2017. Acesso em: 03 mar. 2019.
KURTZ, João. Bengala smart ajuda deficientes visuais a reconhecerem rostos e lugares. 2015. Disponível em: <https://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2015/05/bengala-smart-ajuda-deficientes-visuais-reconhecerem-rostos-e-lugares.html>. Acesso em: 17 ago. 2019.
MOLINA, Luciane. Deficiência visual: formas de leitura e acessibilidade à informação. 2011. Disponível em:<http://www.acessibilidadenapratica.com.br/textos/deficiencia-visual-formas-de-leitura-e-acessibilidade-a-informacao/>. Acesso em: 05 abr. 2019.
RODRIGUES JUNIOR, José Fernando. Pesquisa Experimental. 2018. Disponível em: <http://www.escritacientifica.sc.usp.br/wp-content/uploads/MPCC_5_DataAnalysis06-PesquisaExperimental.pdf>. Acesso em: 13 abr. 2019.
ROMAGNOLLI, Glória. Adequações curriculares na baixa visão. 2014. Disponível em: <http://www.deficienciavisual.pt/txt-adequacoes_curriculares_BV.htm>. Acesso em: 25 abr. 2019.
SOUZA, Ana Cristina Satiro de. Passado, presente e futuro nos caminhos da acessibilidade. 2019. Revista Pandora Brasil. Disponível em: <http://revistapandorabrasil.com/revista_pandora/acessibilidade/ana_cristina.pdf>. Acesso em: 03 mar. 2019.
UNESCO Digital Library. Declaração de Salamanca sobre princípios, política e práticas na área das necessidades educativas especiais, 1994. 1998. Disponível em: <https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000139394>. Acesso em: 03 mar. 2019.
W3C. Cartilha de Acessibilidade na Web. 2018. Disponível em: <http://www.w3c.br/Materiais/materiais/cartilha-w3cbr-acessibilidade-web-fasciculo-III.html>. Acesso em: 05 abr. 2019.
YONASHIRO, Mariana. Tecnologias assistivas e empregabilidade da pessoa com deficiência visual. 2017. Fundação Dorina Nowill para cegos. Disponível em: <https://www.fundacaodorina.org.br/blog/tecnologias-assistivas-e-empregabilidade-da-pessoa-com-deficiencia-visual/>. Acesso em: 03 mar. 2019.

Publicado

21/12/2019

Como Citar

SILVA, D. P. R. da; FREITAS, E. de V.; ARAÚJO, L. S. ACESSIBILIDADE: o uso de tecnologias assistivas para deficientes visuais. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 86-100, 2019. DOI: 10.31510/infa.v16i2.638. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/638. Acesso em: 12 ago. 2020.

Edição

Seção

Tecnologia em Informática