STARTUPS

a importância das ferramentas de planejamento

Autores

  • Jonatas Anderson Liberato Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil
  • Ronaldo Ribeiro de Campos Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil

Palavras-chave:

Startups, Empreendedorismo, Inovação, Modelo de negócios, Plano de negócios, Plano de marketing, Incubadoras, Aceleradoras, Sistemas para Internet

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar uma abordagem sobre o conceito das startups, retratando, de maneira descritiva, as principais características do empreendedorismo e inovação, bem como das próprias startups e das ferramentas de planejamento, de consolidação de ideias e do processo de obtenção de investimentos ou mentorias para um futuro negócio. Em todas as seções serão apresentadas citações de diversos autores que fundamentaram-se em livros, artigos e conteúdo da Internet. Assim, durante este estudo foi construído um panorama que abordou ferramentas de planejamento tais como, o Plano de Negócios, Modelo de Negócios e Plano de Marketing. Também foram destacados os mecanismos de aplicação de tais ferramentas assim como instituições especializadas em startups, chamadas de “aceleradoras” e “incubadoras” e que podem contribuir para o nascimento ou aprimoramento de um novo negócio. Como principal resultado obteve-se uma perspectiva descritiva abrangente sobre os pontos de interesse desta pesquisa contribuindo para o estudo e aprofundamento do tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

BARRETO, L. P. Educação para o Empreendedorismo. Salvador: Escola de Administração de Empresas da Universidade Católica de Salvador, 1998.

BLANK, S. & DORF, B. The Startup Owner’s Manual. Estados Unidos: K & S Ranch, 2012.

BLANK, S., 2013. Why the lean start-up changes everything. 91(5), 63-72. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3110886/mod_resource/content/1/Why%20the%20Lean%20Start-Up%20Changes%20Everything.pdf> Acesso em: 18 fev. 2019

COBRA, M. H. N. Plano estratégico de marketing. 3. ed. Sao Paulo: Atlas, 1991.

DEGEN, R. O empreendedor: fundamento da iniciativa empresarial. São Paulo: Mac Graw Hill, 1989.

DOLABELA, F. O segredo de Luisa. Brasil: Sextante/GMT, 2008.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios, Ed. 1. Rio de Janeiro. Elsevier, 2001.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovar e se diferenciar em organizações estabelecidas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando idéias em negócios, Ed. 3. Brasil: Elsevier, 2008.

FISHBACK, B., GULBRANSON, C.A., LITAN, R.E., MITCHELL, L., & PORZIG, M. 2007. Finding business idols: A new model to accelerate start-ups. Disponível em < http://www.kaffman.org/uploadedFiles/Finding Business Idols.pdf>. Acessado em 27 fev. 2019

GLOBAL ENTREPREUNERSHIP MONITOR(GEM). GEM 2015/2016 Global Report, 2016. Disponível em: <http://gemconsortium.org/report/49480>. Acesso em: 03 abr 2019.

HISRICH, R. D., & PETER, M. P. Empreendedorismo. Bookman. 2004.

KOTLER, P. Administração de marketing. 10. ed. Sao Paulo: Prentice hall, 2000.

MEDEIROS JÚNIOR, J. V; AÑES, M. E. M; NETO, M. V. S; BEZERRA, M. H. M. Elaboração do mapa de recursos: processo de apoio ao planejamento de um novo negócio de Internet. Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 5, p. 226–256, 2015.

MEIRA, S. Novos negócios inovadores de crescimento empreendedor no Brasil. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2013.

RIES, E. A Startup enxuta. São Paulo: Lua de Papel, 2012.

RICHERS, R. Marketing: uma visão brasileira. São Paulo: Negócio Editora, 2000.

ROSA, C. A. Como elaborar um plano de negócios. Minas Gerais: Núcleo de Comunicação, 2013.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do Desenvolvimento Econômico. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1959.

SEBRAE. Estudo de mercado:Como avaliar os riscos e a atratividade do seu negócio. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/como-avaliar-os-riscos-e-a-atratividade-do-seunegocio,6093438af1c92410VgnVCM100000b272010aRCRD>. Acesso em: 03/04/2019

SEBRAE. Economia Criativa: Incubadora e aceleradora: qual a diferença entre elas? Estudo de mercado:Como avaliar os riscos e a atratividade do seu negócio. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/entenda-a-diferenca-entre-incubadora-e-aceleradora,761913074c0a3410VgnVCM1000003b74010aRCRD>. Acesso em: 21/03/2019

OVIATT, B.M.; MCDOUGALL, P.P. Toward a theory of international new ventures. Journal of International Business Studies, 1994.

TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2006.

TRAVERS, P. K.; TEIXEIRA, C. S. As características definidoras das aceleradoras e suas diferenças para outras organizações filantrópicas. Disponível em: <http://www.revistas.udesc.br/index.php/reavi/article/view/2316419006092017098>. Acesso em: 04/04/2019.

VIANA, R. B. C. A estratégia na incerteza: explorando cenários para empresas recém- criadas no mercado brasileiro de tecnologia da informação. Rio Grande do Sul: Reuna, 2012.

Publicado

30/06/2019

Como Citar

LIBERATO, J. A.; CAMPOS, R. R. de. STARTUPS: a importância das ferramentas de planejamento. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 184-196, 2019. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/589. Acesso em: 26 out. 2020.

Edição

Seção

Tecnologia em Informática