ABATE HUMANITÁRIO NA BOVINOCULTURA DE CORTE

Autores

  • Thiago Henrique Vieira da Silva Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil
  • Marcela Midori Yada Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v15i2.480

Palavras-chave:

Abate Humanitário, Bem- Estar Animal, Bovinocultura de Corte

Resumo

O Brasil é um país muito forte no agronegócio mundial e, é referência para outros países. A participação do Brasil na Bovinocultura é muito intensa, pois o País é o segundo maior produtor mundial de bovinos, ficando atrás somente da Índia. Objetivo do artigo foi analisar os princípios do abate humanitário na bovinocultura de corte. A metodologia empregada foi levantamento bibliográficos através de artigos similares e a realização de consulta na legislação. Os primeiros relatos referentes ao bem-estar animal emergiram a partir de 1965 por um comitê constituído por vários pesquisadores e profissionais do setor da agropecuária do Reino Unido, sob o nome de Comitê Brambell, defronte disso principiou – se conceitos e definições de bem-estar animal. O abate humanitário tem como característica principal em todas as operações que vão desde transporte até abate, visa o bem-estar animal e a certificação de um produto final de qualidade. Em todos os elos da cadeia produtiva da bovinocultura de corte (produtor, transporte, frigorifico e consumidores), os funcionários devem ser capacitados e treinados para desenvolver suas funções com a mais eficiência e contribuir para o conforte e bem-estar do animal. Contemporaneamente, os consumidores estão cada vez mais exigentes em relação a qualidade da carne, entretanto os teores de qualidade da carne estão vinculados ao pré-abate como um todo. Dentro deste contexto as metodologias que asseguram a qualidade da carne devem visar a oferta de outputs mais seguros, nutritivos e saborosos, contudo levando em consideração a produção sustentável e o bem-estar animal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BATISTA DE DEUS, José C.; SILVA, Wladimir P.; SOARES Germano J. D.; Efeito da distância de transporte de bovinos no metabolismo post-mortem. Revista Brasileira de Agrociência, v. 5 n. 2, p. 152-156. mai./ago. 1999. Disponível em

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Circular. n. 192. 01/07/1998.Brasília-DF,1998.

BRASIL. Decreto-Lei nº 24.645, de 10 de julho de 1934. Estabelece Medidas de Proteção aos Animais e dá outras providências. Disponível em:

HEDRICK, H.B., ABERLE, E.D., FORREST, J.C., JUDGE, M.D., MERKEL, R.A. Principles of meat science. 3.ed., DUBUQUE:Kendal/Hunt Publ. Co., 1994, 354p

GIL, João Infante; DURÃO, João Costa. Manual de inspeção sanitária de carnes. Lisboa: Fundação Caloustre Gulbenkian, 1985. 563p.

GOMIDE, L. A. M; RAMOS, E. M; FONTES, P. R. Tecnologia de abate e tipificação de carcaças. Viçosa: Editora UFV. 370p. 2006

MENDONÇA,P.M., CAETANO, G.A.O. Abate de bovinos: Considerações sobre o abate humanitário e jugulação cruenta. Rev. Pubvet. v.11, n.12, p.1196-1209, Dez., 2017

MUCCIOLO, P. Carnes: estabelecimentos de matança e de industrialização. São Paulo:Íncone, 1985. 102p

PICCHI, V Insensibilização no abate de bovinos. Revista Nacional da Carne, São Paulo, v.21, n.236, p.38-44, 1996

PISKE, D. Aproveitamento de sangue de abate para alimentação humana. I. Uma revisão. Boletim do Instituto de Tecnologia de Alimententos, Campinas, v.19. n.3, p.253-308, 1982.

ROÇA, R. O. Abate humanitário: manejo ante mortem. Revista TeC Carnes, v. 3, n. 1, p. 7-12, 2001.

ROÇA, R.O. Abate humanitário: o ritual kasher e os métodos de insensibilização de bovinos. Botucatu: FCA/UNESP, 232p 1999. Tese (Livre-docência em Tecnologia dos Produtos de Origem Animal) - Universidade Estadual Paulista.

ROÇA, R.O., SERRANO, A.M., Influência do banho de aspersão ante-mortem em parâmetros bioquímicos e na eficiência da sangria da carne bovina. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.30, n.8, p.1107-1115, 1995.

ROÇA, R.O. Influência do banho de aspersão "ante-mortem em parâmetros bioquímicos e microbianos da carne bovina. Tese (Doutorado em Engenharia de Alimentos, Área de Tecnologia de Alimentos) - Faculdade de Engenharia de Alimentos - Universidade Estadual de Campinas. 69. F.E.A./UNICAMP, Campinas 1993. 185p

STEINER, H. Working model of standardized technique for the hygienic slaughtering of cattle. Fleischwirtschaft, Frankfurt, v.63, n.7, p.1186-1187, 1983

SWATLAND, H.J. Slaughtering. Internet: http://www.bert.aps.uoguelph.ca/ swatland/ch1.9.htm. 2000. 10p.

TARRANT, P. V. Long distance transportation of steers to slaughter: effect of stocking density on physiology, behaviour and carcass quality. Livestick Production Science: Amsterdam, v.30, p. 223-238, 2003

THORNTON, H. Summary of meat inspection. London: Bailliere, Tindall and Cassel, 1969.

VIMINI, R.J., FIELD, R.A., RILEY, M.L., et al. Effect of delayed bleending after captive bolt stunning on heart activity and blood removal in beef cattle. Journal of Animal Science, Champaing, v.57, n.3, p.628-631, 1983

Publicado

30/12/2018

Como Citar

SILVA, T. H. V. da; YADA, M. M. ABATE HUMANITÁRIO NA BOVINOCULTURA DE CORTE. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 392-403, 2018. DOI: 10.31510/infa.v15i2.480. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/480. Acesso em: 4 ago. 2020.

Edição

Seção

Tecnologia em Agronegócio