REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE MADEIRA DA CONFECÇÃO DE PALETES

Autores

  • Ingrid Daiane Platina Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil
  • André Luiz Oliveira Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil https://orcid.org/0000-0001-9014-5833

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v15i2.470

Palavras-chave:

Resíduos de madeira, Paletes, Sustentabilidade

Resumo

Desde o final da Revolução Industrial o homem tem buscado formas de compatibilizar desenvolvimento e preservação ambiental, um dos principais desafios da sociedade capitalista. A utilização de madeira no setor produtivo causa impactos ambientais que devem ser mitigados por meio de propostas que visem não somente o manejo correto desta matéria-prima, mas também processos de reaproveitamento, uma vez que se trata de uma estratégia não somente empresarial, mas necessária para a sociedade manter um nível minimamente satisfatório de qualidade ambiental. Neste contexto, o objetivo deste trabalho é evidenciar a necessidade de adoção de práticas que reduzam os impactos ambientais negativos gerados pelo desmatamento. Com vistas a ilustrar o trabalho e como metodologia de pesquisa foi realizado um estudo de caso em uma indústria de fabricação de paletes de madeira, que vem agregando em seu processo produtivo técnicas de reaproveitamento dos resíduos, como forma de mitigar os efeitos negativos do desmatamento. As conclusões destacam os benefícios oriundos da adoção de técnicas mais sustentáveis com relação ao manejo da madeira como fonte de matéria prima, além de técnicas para lidar de forma ambientalmente correta com as externalidades do processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BORGES, A. S.; CINIGLIO, G.; BRITO, J. O. Considerações energéticas e econômicas sobre resíduos de madeira processada em serrarias. Silvicultura, São Paulo, v. 2, p. 603-606, set. 1993. Acesso em: 26 maio

DERANI, C. Direito Ambiental Econômico. São Paulo: Max Limonad, 2007.

DERANI.Desmatamento e crescimento econômico no Brasil: uma análise da curva de Kuznets ambiental para a Amazônia legal. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20032011000300008 Acesso em: 26 maio 2018.

EMBRAPA – Pesquisa aponta danos da exploração madeireira na Amazônia http://www.brasil.gov.br/noticias/educacao-e-ciencia/2014B/10/pesquisa-aponta-danos-da-exploracao-madeireira-na-amazonia Acesso em: 26 maio 2018.

______. Briquetes - Produção de lenha ecológica. Direção de Embrapa. [S.l.]: Youtube, 2014 A. P&B. Disponível em: <https://youtu.be/Roq2Ka-2PRE>. Acesso em: 26 maio 2018.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo . Editora Atlas. 2006.

GONÇALVES, J. E. Energia de briquetes produzidos com rejeitos de resíduos sólidos urbanos e madeira de Eucalyptus grandis. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, n. 5, v. 13, 660, set. 2009. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/71128/2-s2.0-70349502601.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em 27 de maio de 2018.
HERZOG, A. L. VIEIRA, R. Brasil destrói 128 campos de futebol de floresta por hora. Disponível em: <https://exame.abril.com.br/revista-exame/brasil-destroi-128-campos-de-futebol-de-flooresta-por-hora/>. Acesso em: 16 set. 2018.

IBAMA. Instituto brasileiro do meio ambiente e dos recursos naturais renováveis. Disponível em: < http://www.ibama.gov.br>. Acesso em 27 de maio de 2018.
IBGE. Indicadores de Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv38797.pdf. Acesso em 27 de maio de 2018.
KANAYAMA, P. H. Minimização de Resíduos sólidos urbanos e Conservação de Energia -. Disponível em: < https://www.escavador.com/sobre/528256/paulo-helio-kanayama>. Acesso em 27 de maio de 2018.
LIPPEL. Briquetes de Biomassa e Carvão. 2018. Disponível em: <http://www.lippel.com.br/br/briquetes-de-biomassa-e-carvao.html>. Acesso em: 27 set. 2018.

MACHADO, P. A. L. M. Direito Ambiental brasileiro. 19. ed. São Paulo: Malheiros, 2011.
MAISONNAVE, Fabiano. Desmatamento Governo de MT ocultou dados de exploração ilegal de madeira. 2018. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2018/04/governo-de-mt-ocultou-dados-de-exploracao-ilegal-de-madeira.shtml>. Acesso em: 18 set. 2018.

OLIVEIRA, C. Biomassa, Resíduos Florestais e Industriais e Pellets de Madeira. 2016. Disponível em: <https://pt.linkedin.com/pulse/biomassa-res%C3%ADduos-florestais-e-industriais-pellets-de-celso-oliveira>. Acesso em: 25 jun. 2018.

PENA. Desmatamento Disponível em: < https://brasilescola.uol.com.br/geografia/o-desmatamento.htm>. Acesso em: 26 maio 2018.
REMADE. Briquetes são alternativas para aproveitamento energético da madeira.2010 Disponível em: <http://www.remade.com.br/br/revistadamadeira_materia.php?num=1479&subject=B>. Acesso em: 10 jul. 2018.
REVIATA EXAME: Os serviços ambientais da floresta e o risco do desmatamento Disponível em: < https://exame.abril.com.br/economia/os-servicos-ambientais-da-floresta-e-o-risco-do-desmatamento-m0164749/A >. Acesso em 01 de outubro de 2018
SALAME, J. E. F. Estudo básico para briquetagem de carvão vegetal. Ouro Preto: Escola de Minas e Metalurgia, 1992. 19 p.
SEBRAE. Como montar uma fábrica de briquete. Disponível em: file:///C:/Users/joao/Downloads/F%C3%A1brica%20de%20briquetes%20(1).pdf. Acesso em 27 de maio de 2018.
STIVAL, L. Briquetes. 2007. Disponível em: <https://monografias.brasilescola.uol.com.br/biologia/briquetes.htm>. Acesso em: 19 jun. 2018.

WIECHETECK, M. Aproveitamento de resíduos e subprodutos florestais, alternativas tecnológicas e propostas de políticas ao uso de resíduos florestais para fins energéticos. Apoio às Políticas Públicas na Área de Gestão e Controle Ambiental, Curitiba, p.9-12, 2009. Anual.

Publicado

30/12/2018

Como Citar

PLATINA, I. D.; OLIVEIRA, A. L. REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE MADEIRA DA CONFECÇÃO DE PALETES. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 232-244, 2018. DOI: 10.31510/infa.v15i2.470. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/470. Acesso em: 8 jul. 2020.

Edição

Seção

Tecnologia em Produção Industrial