CHATBOT COMO INTERFACE PARA A APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA

Autores

  • Edinei Edson Antunes Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil
  • Mirela de Lima Piteli Picchi Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil
  • Giuliano Scombatti Pinto Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil
  • Adriana Valim Ferreira Ragazani Faculdade de Tecnologia de Taquaritinga (FATEC) – SP – Brasil

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v15i1.357

Palavras-chave:

Dipositivos Móveis, Chatbot, Aprendizagem de língua inglesa

Resumo

Neste artigo foi proposto o uso de um chatbot para a aprendizagem e aprimoramento da língua inglesa, fazendo uso da grande presença dos dispositivos móveis atuais. Realizou-se uma revisão e análise bibliográfica sobre a aprendizagem de um idioma, a forma com que a tecnologia tem influenciado a aquisição da língua inglesa e sobre a possibilidade de transcender as salas de aula no que concerne ao aprendizado de uma nova língua. Além disso, buscou-se apresentar, também, o rápido crescimento da mobilidade de dispositivos eletrônicos, o cenário das plataformas móveis e as tecnologias que se destacam para o desenvolvimento de aplicativos nativos, hibridização como estratégia para o desenvolvimento de aplicativo móvel, e a viabilidade do uso de chatbot para o aprimoramento da língua inglesa. Para tanto, utilizou-se um renomado corpus linguístico estatístico e optou-se pelo IBM Watson como ferramenta de análise a partir do qual constatou-se o grande desafio de viabilizar a interação com o usuário de maneira mais eficaz. Os resultados preliminares de análise apontam que existe a real possibilidade de treinamento do chatbot com o corpus da língua inglesa para tal interação, através da frequência de uso das palavras em frases nos diálogos em inglês, para fins de aquisição e aprimoramento do referido idioma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZRAQ, A.; AZIZ, H.; NAPPE, N.; BRAVO, C.R.; SRI, L. Building Cognitive Applications with IBM Watson Services: Volume 2 Conversation, Redbooks, 2017. Disponível em <http://www.redbooks.ibm.com/redbooks/pdfs/sg248394.pdf> Acesso em: 20 abr. 2018.
37
CAMBRIDGE ENGLISH CORPUS. Disponível em < http://www.cambridge.org/about-us/what-we-do/cambridge-english-corpus > Acesso em: 10 fev. 2018.
CAMBRIDGE UNIVERSITY PRESS. Disponível em < http://www.cambridge.org/ > Acesso em: 10 fev. 2018.
CRYSTAL, D. English as a global language. 2nd Edition, New York, Cambridge University Press, 2003.
DAVIES, M.; GARDNER, D. A Frequency Dictionary of Contemporary American English. Nova Iorque, Nova Iorque, Routledge, 2010.
FIRTH, J. R. Papers in linguistics – 1934-1951. Oxford, Oxford University Press, 1957.
GUENVEUR, Lauren. Apple é principal marca de smartphone nos EUA e Reino Unido. 2017. Disponível em: <http://br.kantar.com/tecnologia/m%C3%B3vel/2017-/fevereiro-comtech-smartphone-dados-ios-android-market-share/>. Acesso em: 11 abr. 2018.
GUO, H. Analysing and Evaluating Current Mobile Applications for Learning English Speaking. Birkbeck, University of London, 2016. Disponível em <https://englishagenda.britishcouncil.org/sites/default/files/filefield_paths/analysing_and_evaluating_current_mobile_applications_v2.pdf> Acesso em: 02 abr. 2018.
KENSKI, V. M. Educação e Tecnologias: O novo ritmo da informação. 2ª edição. Campinas – SP: Papirus, 2007.
KÖCHE, J. C. Fundamentos de metodologia científica: Teoria da ciência e iniciação à pesquisa. Petrópolis; Vozes, 2002.
LAVEN, Simon. The Simon Laven Page. 2001. Disponível em: < http://www.simonlaven.com >. Acesso em: 30 abr. 2018.
MARTINS, C. B. J.; MOREIRA, H. O campo CALL (Computer Assisted Language Learning): definições, escopo e abrangência. In: Unisinos, vol. 10, n. 3, p. 247-255, set/dez 2012. Disponível em < http://revistas.unisinos.br/index.php/calidoscopio/article/view/3254/1280> Acesso em: 02 mai. 2018.
PARTINGTON, A. Patterns and meanings: using corpora for English language research and teaching. Amsterdã/Filadélfia, John Benjamins, 1998.
REIS, S. C. dos. As tendências teóricas em estudos de CALL no Brasil: identificando o estado da arte. In: ENCONTRO DO CELSUL, 8, Porto Alegre, 2008. Porto Alegre, 2008, p. 1-21. Disponível em < www.celsul.org.br/Encontros/08/estudos_de_call.pdf> Acesso em: 03 mai. 2018.
SCHWARTSMAN, H. Não utilizar o inglês é arremessar-se para fora do mundo. Folha de São Paulo, São Paulo, 07 fev 2011. Caderno 9, p. 2.
38
TEIXEIRA, S.; RAMIRO, T. B.; OLIVEIRA, E.; MENEZES, C. S. Chatterbots em ambientes de aprendizagem – uma proposta para a construção de bases de conhecimento. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Computação, XXV, São Leopoldo, 2005. Disponível em <http://www.br-ie.org/pub/index.php/wie/article/view/863/849> Acesso em: 08 abr. 2018.

Downloads

Publicado

30/06/2018

Como Citar

ANTUNES, E. E.; PICCHI, M. de L. P.; PINTO, G. S.; RAGAZANI, A. V. F. CHATBOT COMO INTERFACE PARA A APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 28-38, 2018. DOI: 10.31510/infa.v15i1.357. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/357. Acesso em: 8 dez. 2021.

Edição

Seção

Tecnologia em Informática