VIABILIDADE DA PRODUÇÃO DO ETANOL CELULÓSICO

Autores

  • Gabriel Pinfildi Damasceno Faculdade de Tecnologia de Catanduva – Catanduva – SP – Brasil
  • Luciano Donizeti Zaneti Faculdade de Tecnologia de Catanduva – Catanduva – SP – Brasil
  • Daltro Cella Faculdade de Tecnologia de Catanduva – Catanduva – SP – Brasil

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v14i2.175

Palavras-chave:

Bagaço, Palha, Cana-de-açúcar, Etanol Celulósico, Energia

Resumo

O aquecimento global causado pela emissão dos gases de efeito estufa aponta uma crise ambiental preocupante, levando países a buscarem alternativas como fontes de energias autossustentáveis e limpas. O etanol é uma fonte de energia renovável que pode substituir os combustíveis fósseis. O governo brasileiro assinou o Acordo de Paris propondo aumentar a produção de etanol em 66% até 2030. Para isso, é necessário aumentar a plantação da canade-açúcar e isso provoca grandes discussões quanto ao uso de solo agrícola. Uma alternativa é a produção do etanol de segunda geração, que possibilita aumentar a produção brasileira de etanol em 50% utilizando a mesma quantidade de cana plantada. Este trabalho tem por objetivo apresentar o processo de produção do etanol e comparar o custo de produção entre o etanol de primeira geração (E1G) com o etanol de segunda geração (E2G). Para tanto, realizou-se a descrição de seus processos produtivos e seus respectivos custos de produção. Este estudo baseou-se em pesquisas bibliográficas por meio de artigos, monografias, dissertações, teses e em sites especializados, com o objetivo de produzir informações sobre a produção do etanol celulósico e propiciar novas informações sobre o assunto. Para os especialistas, a produção do E2G será viável até 2020. A dificuldade encontrada na sua produção e o que a encarece é a enzima utilizada no processo de hidrólise. Para baratear esse processo, o governo brasileiro deve investir mais em pesquisa e desenvolvimento, incentivando outros laboratórios a produzirem a enzima, assim como criar novas políticas para utilização do E2G. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

One of the problems caused by the use of fossil fuels is the emission of gases in the atmosphere, for example, carbon dioxide (CO2). Nowadays, the emission of this gas has been the subject of many congresses and the search for renewable and clean energy increases each year. Ethanol is a clean and sustainable source of energy that can replace fossil fuels. The Brazilian government signed the Paris Agreement and proposed to increase the ethanol production in 66% by 2030. To make it happen, it is necessary to increase the planting of sugar cane, which causes big issues. One of the alternatives is the production of second generation ethanol (E2G), which makes it possible to increase the ethanol production in 50% using the same amount of sugar cane planted. It is obtained by processing bagasse and the sugar cane straw. However, the bagasse and the sugar cane straw can be used for the production of electricity. A positive point is that, for many people, the production of E2G will be viable up by 2020. The difficulty found in the production of E2G which makes it expensive is the enzyme used in the pre-treatment. In order to make this process cheaper, Brazilian Government should be made more investments in research and development (R&D), encouraging other laboratories to produce the enzyme. In this way, the present work allowed to analyze the viability of the production of second generation ethanol (E2G), when compared to the production of first generation ethanol (E1G) and cogeneration from sugarcane bagasse.

Publicado

17/12/2017

Como Citar

DAMASCENO, G. P.; ZANETI, L. D.; CELLA, D. VIABILIDADE DA PRODUÇÃO DO ETANOL CELULÓSICO. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 52-63, 2017. DOI: 10.31510/infa.v14i2.175. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/175. Acesso em: 25 out. 2020.

Edição

Seção

Tecnologia em Gestão Empresarial