ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA UMA AGROINDÚSTRIA DE VEGETAIS MINIMAMENTE PROCESSADOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31510/infa.v17i2.1054

Palavras-chave:

Minimamente Processados, Viabilidade Econômica

Resumo

Com a vida corrida de hoje em dia, as pessoas têm tido cada vez menos tempo para se dedicar ao preparo de sua alimentação, preferindo alimentos práticos e saudáveis para o consumo. O setor de alimentos Minimamente Processados ainda é muito pouco explorado no Brasil, tendo potencial relevante de crescimento, por ser um produto com maior valor agregado e com 100% de aproveitamento, pois o consumidor utiliza tudo o que adquire, pois no momento da compra, o produto já passou por seleção. A busca dos consumidores por esta tendência de mercado foi o que nos levou a pesquisar sobre o tema, a fim de aproveitar a oportunidade e diagnosticar a viabilidade econômica de se montar uma agroindústria de Legumes e Hortaliças Minimamente Processados. Focamos as pesquisas nos produtos alface, couve, cenoura e beterraba, com 5% da produção voltada para orgânicos, buscando atingir também esse nicho de mercado. Foram realizadas pesquisas de mercado, assim como análise financeira e através de várias ferramentas como VPL (Valor Presente Líquido), TIR (Taxa Interna de Retorno) e Payback, apuramos que o projeto se mostrou viável para o investimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CARDOSO, S. et al. Elaboração e Avaliação de Projetos para Agroindústria. Editora UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), 1ª edição, Porto Alegre- 2011. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/56453/000855966.pdf?sequence=1

Acesso em: 24 de maio de 2020.

CONAB- Companhia Nacional de Abastecimento. PROHORT - Programa brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro. Relatórios Mensais de Preços. Disponível em:

http://www3.ceasa.gov.br/prohortweb/?page=reports.consulta_relatorio_preco_medio_mensal Acesso em 19 de junho de 2020.

DIA DE CAMPO NA TV. Inovação tecnológica no processamento mínimo de vegetais. EMBRAPA, 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_CXRRTgKwbo

Acesso em 18 de março de 2020

GASPAR, L.M.R. Gerenciamento de resíduos agroindustriais direcionado a produção de fertilizante orgânico: aplicação da gestão da qualidade e análise econômico-financeira. Dissertação (Mestrado) – Programa de Engenharia Ambiental, Escola Politécnica e Escola de Química, Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

MINISTÉRIO DA SAÚDE-AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA Nº 43, de 01 de setembro de 2015. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2718376/RDC_43_2015_.pdf/2d1da3b5-f322-47b0-85b7-d538f6658493 Acesso em 27 de maio de 2020.

MÜLLER, B. et al. Projeto de uma indústria de minimamente processados. Universidade Federal da Santa Catarina- UFSC, Florianópolis, 2011. Disponível em:

https://moodle.ufsc.br/pluginfile.php/881621/mod_resource/content/0/Projeto_Minimamente_Processados_Final.pdf Acesso em 18 de março de 2020

OLIVEIRA, R. Redes escalam seleção de agricultores. Folha de S. Paulo, 19 jan. 1999.

PERES, R. et al. Perfil dos consumidores de hortaliças minimamente processados de Belo Horizonte. Revista Horticultura Brasileira, vol. 26, nº 4, Brasília, Outubro-Dezembro/2008. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-05362008000400004 Acesso em 18 de março de 2020.

SANTOS, J. S. et al. Revisão: alimentos minimamente processados embalados em atmosfera modificada. Brazilian Journal of Food Technology, vol. 15, n. 1, Campinas, Janeiro/Março, 2012. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-67232012000100001&lang=pt Acesso em 18 de março de 2020

SANTOS, M. C. A. et al. Avaliação do mercado de frutas e hortaliças embaladas, minimamente processadas, orgânicas e desidratadas na capital de Minas Gerais. CEASAMINAS/MG, Contagem, 2010. Disponível em:

http://www.ceasaminas.com.br/informacoesmercado/artigos/processados.pdf

Acesso em 18 de março de 2020.

SATO, G. S. Hortaliças minimamente processadas: uma atividade agroindustrial no interior de São Paulo. Revista Informações Econômicas, vol. 39, n. 2, São Paulo, Fevereiro/2009. Disponível em:

http://www.iea.sp.gov.br/ftpiea/publicacoes/IE/2009/tec8-0209.pdf

Acesso em 19 de março de 2020.

SEBRAE- Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequenas Empresas. Hortaliças e vegetais processados. Feira do Empreendedor. Brasília, 2009. Disponível em: http://intranet.df.sebrae.com.br/download/OportunidadesFeiraEmpreendedor2009/11_Hortali%C3%A7as_e_vegetais_processados_2009.pdf Acesso em 19 de março de 2020.

SOLDERA, D. et al. Indicadores de Viabilidade Financeira: Considerações sobre instrumentos de análise. Editora UFRGS- Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/185993

Acesso em 12 de junho de 2020.

Downloads

Publicado

18/12/2020

Como Citar

GARDINI, U. R.; SOUZA, R. A. de .; LORANDO, T. R. dos S. P. .; PANDOLFI, M. A. C. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA UMA AGROINDÚSTRIA DE VEGETAIS MINIMAMENTE PROCESSADOS. Revista Interface Tecnológica, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 603-615, 2020. DOI: 10.31510/infa.v17i2.1054. Disponível em: https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/1054. Acesso em: 16 abr. 2021.

Edição

Seção

Tecnologia em Agronegócio